sábado, 28 de janeiro de 2017

(a)Mar

Já te disse mas repito, tenho uma memória traiçoeira. Sinto que me esqueço de muito, duvido por vezes daquilo que recordo. Hoje, porém, tenho a certeza que falavas do mar quando te conheci. Era do mar, sim. E do amor também. Um barco, talvez. Trocámos palavras. É bonito, isto de trocar palavras. Uma dádiva mútua, um afago. Hoje faltam-me as tuas palavras e as minhas lamentam-se, aqui, sós. Podias ao menos dizer-me se te lembras, e se era mesmo do mar que falavas.

17 comentários:

papoila disse...

Nostalgia...dia cinzento, tudo a provocar uma certa tristeza.
Bejs sorridentes e com sol!

Manel Mau-Tempo disse...

o que fica por dizer pode ser como aquela humidade que se entranha nas roupas, no cabelo, que fica nos ossos...

Ana Freire disse...

E da troca de palavras... algo mais se acrescenta à palavra... como o título tão bem o demonstra...
Beijinhos! Bom fim de semana!
Ana

Graça Sampaio disse...

Que lindo texto. Nostálgico. Muito lindo.

Beijinho.

Manuel Veiga disse...

há mar e mar...
por certo que era o mar...

Janita disse...

Se calhar não percebeste bem e ele falava de a)Mar-te e amar o mar...:)

Janita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
bea disse...

Este texto recordou-me um tempo já antigo, quando um projecto me uniu a outra gente e, contra ventos e marés, deu bem, floriu. Foi então que, grata aos que comigo estiveram de pés juntos e que eu sabia de passagem, lhes agradeci com um poema desajeitado. E nele havia o mar da vida, um cais e barcos que partiam enquanto outros chegavam. Quem sabe alguns deles são hoje cais de outros barcos. Ou serão ainda barcos viajantes. Não interessa. Vejo-os como então. E tenho a certeza de que todos nos lembramos uns dos outros e do tempo em que nos juntámos por alguma coisa que frutificou. Tenho até a ilusão de que nos fez crescer e nos ajuda no mar da vida.

Os olhares da Gracinha! disse...

Claro que se lembra...pode é não querer dizer!!!
Bom domingo

Os olhares da Gracinha! disse...

Claro que se lembra...pode é não querer dizer!!!
Bom domingo

Os olhares da Gracinha! disse...

...para a próxima se der ... tomamos um café! Bj

ana p disse...

"Dantes,

havia um mar crispado

na fissura dos lábios. Hoje, apenas

algumas gotas de sal."


Albano Martins

Gaja Maria disse...

Há palavras que nunca se esquecem, especialmente quando são sobre o (a)Mar :)

Teté disse...

Coitadinho do passarinho, estava mesmo cheio de frio. Curioso é que não vi nunca nenhum pato dessa espécie nos Salgados, mas lá que as fotos deram saudades... ai, ai!;)

Beijocas

Teté disse...

Claro que este comentário anterior era para o post de cima. com a saudade foi no que deu... :)))

Laura Ferreira disse...

tão bonito, Luísa.

Olvido disse...

Amar talvez seja mesmo um barco no mar, onde nem todos sabem navegar ou sequer nadar palavras. Há quem nem saiba do barco a mar...
Que nostalgia linda, Luisa :)