domingo, 22 de julho de 2018

Passeio de domingo (413)


Pela fresca, antes da praia acordar e em modo birdwatching, junto à lagoa das Dunas Douradas.










Doce


Tenho os frascos prontos. Foram escaldados e repousam agora de cabeça para baixo sobre uma toalha limpa e absorvente. Já apaguei o fogão e passei a panela para a bica que está fria. A casa cheira a doce e enquanto ele arrefece trato de editar as fotografias do passeio deste domingo que vai ficar praticamente colado ao de domingo passado. Passou-se uma semana inteirinha sem que conseguisse deixar aqui uma palavra que fosse. Pior, adivinho outra parca semana para o que a esta esquina diz respeito. Não há de ser nada. Para já tenho um problema maior para resolver. Fiquei com os dedos encardidos de tanta ameixa que descasquei. Espero bem ter lixívia em casa.

domingo, 15 de julho de 2018

Passeio de domingo (412)


Hora e meia de caminhada, com as devidas pausas fotográficas, da Falésia às Belharucas, minhas praias de eleição.










terça-feira, 10 de julho de 2018

Verão


Finalmente ouvem-se as cigarras confirmando o verão.
Limpo com afinco a mesa e as cadeiras acomodadas debaixo do telheiro e instalo-me lá para ler ao fresco, disputando o território com os pardais. Agitam-se, avisam-se uns aos outros, temporariamente receosos de se enfiarem entre as canas para acederem aos ninhos. Sei que assim que eu der de costas os sem-vergonha voltarão a sujar o que limpei. E eu voltarei a maldizer a sua presença no telheiro.



terça-feira, 3 de julho de 2018

Antiquada


No átrio de entrada, junto aos elevadores e ao relógio do ponto, em plena hora de o picar, uma colega deixa-se agarrar e beijar longa e ostensivamente pelo namorado. Passo por eles meio envergonhada, como se nada fosse, como se nada visse. Mas vi e bem visto. Comento mais tarde com outra que me acompanhava, pela estranheza quanto à hora e ao local para manifestar tão efusivamente aquela paixão. Não é a primeira vez, diz-me. E lembra que, quando comentou o sucedido, outras colegas lhe disseram que ela era uma antiquada. Antiquada é coisa que não quero ser. Vou calar-me bem caladinha sobre este assunto.

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Amores


O casal do 1º Esquerdo era um exemplo de perfeição. A Menina Júlia, que morava no rés do chão com quintal, cruzava-se frequentemente com os dois e observava aquela bonita relação, aquele doce e carinhoso amor que lhes iluminava o olhar. Um amor como ela nunca tinha visto. Um amor como ela nunca tinha tido. Um dia, não aguentou mais a inveja e encheu o quintal de amores-perfeitos.

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Jovem e bonita


Há de explicar-me qual é o seu segredo para se manter assim, sempre jovem e bonita, diz-me o respeitável senhor, de barba já toda branca, que eu não via há bastante tempo. Agradeço-lhe o elogio lançado de passagem enquanto nos cumprimentamos mutuamente e seguimos caminho, cada um no seu passeio, em lados opostos da rua.

Descontada a distância que nos separa e a mais que certa falta de vista dele, a conversa fiada não deixa de ajudar ao faz-de-conta e sempre ajuda a alegrar o dia.

terça-feira, 26 de junho de 2018