sexta-feira, 31 de março de 2017

A nêspera


Todos os dias, desde o início do ano, olho para a nespereira. Não tenho como não olhar para ela. Com os dois limoeiros que se encontram junto à rede que cerca a horta, ela está no primeiro plano da minha paisagem diária, religiosamente observada através da janela da sala. Vi-lhe primeiro o verde-escuro das folhas e o branco das flores. Vi nascerem-lhe os frutos, pequenos e verdes. Vi-os crescer em amarelo quase limão. Vejo-os, mutantes para quase laranja.

É nesse amarelo alaranjado que amadurecem agora as nêsperas, umas mais depressa que outras, conferindo à árvore um novo colorido. Gosto das apressadas, como as que me chegaram hoje à mesa, numa seleção cuidada do dono da horta. Pego numa delas, esfrego-lhe o veludo para fora até lhe deixar apenas o cetim da pele à vista. Reparo que já apresenta algumas rugas de expressão e até uma ou outra pequena mancha castanha. Como envelhece depressa, uma nêspera… Mas é assim, amadurecida, que ela passa no teste da doçura.

19 comentários:

Laura Ferreira disse...

magnórios, como lhes chamo.
das minhas frutas preferidas, Luísa.

adoro o veludo da fotografia.

beijinho e bom fds

Manu disse...

Tal como na vida, quanto mais madura , mais doce!

Beijinhos Luisa

Rui disse...

Bonito, acompanhar o nascer e o crescer de uma vida até à sua maturidade, Luisa ! :)
Esperemos que, tratando-se de uma vida, não haja quem considere crime a sua utilização na alimentação ! rsrs
E então sim, tal como descreves, colhê-la, retirar-lhe o veludo até fazê-lo cetim e dar-lhe uma boa trinca a apreciar o seu paladar (quanto mais madura melhor) !
... E finalmente podermos pensar : "Valeu bem a pena, a espera até este momento" !!!
:))

Flor de Jasmim disse...

Ó pá até fico com remorsos de gostar de as comer tal como as descreves!

Que forma bonita com que nos transmites os teus olhares.

Minha querida espero e desejo do coração que estejas a ter uma boa recuperação.

Bom fim de semana Luísa, beijinho grande.

AvoGi disse...

Não aprecio embora no meu rural não haja casa que não tenha uma nespereira.
As minhas pulgas adoram e há dias andei a pedir numa casa para me darem uma mão cheia delas
Kis :=}

bea disse...

Bem verdade, as nêsperas não podem comer-se antes desse arzinho alaranjado que cicia, ou me apanham ou caio sozinha que está no tempo de deixar a árvore. Acho as nêsperas um fruto mal amanhado, uma cinta de carne fresca e doce e logo os dentes chocam nuns caroços monstros. Levo a vida a imaginar que mordo uma toda carnuda e em carocinhos de laranja. Mas ainda não aconteceu.

Portugalredecouvertes disse...


também tenho vista sobre as metamorfoses das nêsperas que crescem nos ramos de várias nespereiras !concordo que é um encanto Luisa :)

Manuel Veiga disse...

que bela nêspera!
"mas está verde, não presta..."

Gaja Maria disse...

Já?? Mnhami, gosto tanto :)

A Nossa Travessa disse...

Querida Luisamiga

Sou louco por nêsperas!!!


Em Goa as coisas não correram muito bem; uns problemas de saúde
(meus) - ainda que um tanto graves (Ver abaixo sff)- deram origem a situação pouco feliz - que ainda persistem. Irei escrevendo quando tiver a cabeça mais arrumada...

Além disso no local não havia ligação Internet...

31 de Março - Parece-me que vou melhorando da recaída que tive da depressão bipolar que com ela terei de viver até ao forno crematório, pois é doença incurável.

Vou pois andando devagarinho (sempre são 75 aninhos...) e um destes dias volto a publicar umas linhas. Aproveito para agradecer a todas/os que me acompanharam nestes momentos menos fáceis e sobretudo à Grande Mulher, a minha Raquel, que me amparou, cuidou de mim, enfim teve a paciência de me aturar...
e apoiar!!!!

Qjs & abçs

Henrique, o Leãozão


Mona Lisa disse...

Adorei a forma poética como descreveste a vida da nêspera.

Gosto de nêsperas ou magnórios bem madurinhos com manchas.

Já os vi à venda mas estavam muito amarelos.

Adorei a tua foto!

Beijinhos.

AC disse...

O sol algarvio é assim, apressa as coisas. Por aqui as nêsperas ainda nem adquiriram tamanho, a cor é apenas saudade do ano anterior.
Linhas bem alinhavadas, Luísa, com cada palavra no seu sítio. Nem mais, nem menos.

Um bom sábado :)

JLynce disse...

No Porto chama-se magnório...Nem queiras saber o que são nêsperas...

Manel Mau-Tempo disse...

salivo só de pensar :)

Briseis disse...

Hum... Essa nêspera vai ser invejada por todas as irmãs erimas... Ter direito assim a uma ode e fotografia artística. Que nêspera distinta!

Liliane de Paula disse...

Nêspera, quase nunca encontramos para comprar.

Janita disse...

Essa nêspera ou magnório, como lhe chamam práqui, assim deitada e madurinha, parece a do Rifão do Quotidiano, do Mário Henrique Leiria:

Uma nêspera
estava na cama
deitada
muito calada
a ver
o que acontecia

chegou a Velha
e disse
olha uma nêspera
e zás comeu-a

é o que acontece
às nêsperas
que ficam deitadas
caladas
a esperar
o que acontece.

Ouvido na voz do Mário Viegas, é qualquer coisa. :))

Também já tive uma nespereira que só deu fruto quando estava tão alta que não lhes podia chegar...:(

Beijos, Luísa! :)

Ana Freire disse...

Hum! E eu que adoro nêsperas!...
Por estes lados... ainda mal se notam...
E essa... já tem um ar bem doce e apetecível!
Bjs
Ana

Maria Glória disse...

Este acompanhar diário é o mesmo que participar de um milagre, que quase nunca percebemos. E o veludo, uma textura maravilhosa, sem falar do sabor...