sábado, 9 de junho de 2012

Conversas

Não vês que há dias em que as conversas são demais? Vêm todas as palavras e não sobra mais lugar. Atropelam-se.  Não vês que há, depois, o cansaço? O cansaço do debate estéril. O cansaço do confronto. Então é preciso encarcerá-las. Guardá-las ao abrigo da luz para que se conservem e possam ser recuperadas quando o vento maior passar e apenas reste uma leve brisa.


9 comentários:

  1. oh, o preciosíssimo silêncio... a economia de palavras desnecessárias, que tantas vezes vem em tão boa hora... Que bonito, o que escreveste... =)

    ResponderEliminar
  2. Tens tanta razão...
    É preciso deixar passar o calor do momento para que, mais tarde, as razões possam ser ouvidas!
    Umas palavras sábias...
    Beijinhos,

    ResponderEliminar
  3. Nas palavras, como em tudo o resto, muito... não é sinónimo de bom e tens razão... há conversas que cansam porque até sabemos que não vão dar a lado nenhum, são uma espécie de pescadinha de rabo na boca ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  4. Poético. Saber usar as palavras e saber fazê-las esvoaçar na calmaria de uma brisa. De uma tarde de verão?

    ResponderEliminar
  5. Também tenho dias assim...pensava que mais ninguem me compreendia =)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  6. Belo e sábio, Luísa.
    Parabéns!

    Beijo :)

    ResponderEliminar