sábado, 12 de novembro de 2016

Sonhos

Nos dias em que lhe faltavam horizontes, a mulher sentava-se numa cadeira, à porta de casa. Colocava as mãos sobre os joelhos, de palmas viradas para cima e, olhando bem, invariavelmente via escaparem-se por entre os dedos sonhos antigos.

5 comentários:

Janita disse...

...e porque razão a mulher deixava escapar os sonhos? Melhor seria fechar as mãos, com força! Os sonhos nunca se deixam fugir...:)

Portugalredecouvertes disse...

fogem uns sonhos ?!
o que é preciso é que a nossa máquina de fabricar sonhos nunca se avarie :)
beijinhos Luísa
Angela

AC disse...

É tudo uma questão de postura. Talvez, colocando as palmas viradas para baixo, conseguisse seduzir os sonhos, qual ilusionista da vida.

Um beijinho, Luísa :)

Gaja Maria disse...

Devia tê-los agarrado com ambas as mãos em concha para não os deixar fugir :)

Teté disse...

Mas tinha-os, o que já é meio caminho andado para não ter as mãos cheias de nada...