terça-feira, 29 de novembro de 2016

Perfumista

Abro poemas e leio perfumes. 
São como essências as palavras e é mister usá-las em sábias dosagens.

Tu sabes.                                                                                                                                                        

6 comentários:

Janita disse...

Fizeste-me lembrar o romance "Perfume" de Patrick Suskind.
É na dosagem das essências que reside o sucesso das palavras.
Gosto muito destas palavras que lanças ao vento, com simplicidade e talento.

Um beijo, Luísa.

Pedro Coimbra disse...

Que cheirinho bom que se sente ao ler este texto.

Luis Filipe Gomes disse...

É isso exactamente.

bea disse...

Eu que sou palavrosa e gasto o meu tempo a limar os pendores rococó, aprecio estas frases curtas de sentido longo e arrastado. Talvez por não as conseguir. Parabéns. E também ao perfumista, pois claro.

Laura Ferreira disse...

verdade, Luísa.
há fragrâncias que escorrem de frases e palavras.

Ana Freire disse...

E só os poetas... têm a sabedoria de descobrir as dosagens certas...
Beijinhos
Ana