quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Esta noite

A casa está em silêncio. Desliguei tudo. Não há música, não há notícias, não há comentários, não há debates, não há filmes, não há séries. Lá fora soa uma coruja. Úuú. Úuú. Outra mais ao longe responde-lhe. Úuú.Úuú. A primeira está muito perto. Ouço-a como se ali ao abrir da porta da varanda. Apago a luz antes de a entreabrir, muito devagar, centímetro a centímetro, o corpo encolhido na escuridão da sala. Não a quero assustar. Estará no telhado? No candeeiro público? No cabo elétrico? No ramo da árvore? Estico um pouco o pescoço para fora da ombreira. Nada. Ainda ouço o úuú da outra, da que está mais ao longe. Ou será já a primeira, a que me desassossegou e me fez fazer esta figurinha tonta, espreitando a noite? Saio finalmente para a rua. Se ali esteve, já voou. No céu, atapetado de nuvens movediças, uma lua crescente acena para mim em jeito de consolo.

11 comentários:

Benó disse...

Uma coruja ou um mocho? Fez uuuu só para dizer "Boa noite".

Janita disse...

Esta noite está a ser, para mim, a noite de todos os medos...
:)

Manel Mau-Tempo disse...

"nuvens movediças" que delicia :)

AFRODITE disse...

A coruja é uma ave sinistra... porque será que cultivamos essa ideia?

Beijinhos desassossegados
(^^)

Isabel Pires disse...

Quietude, precisa-se.

Mãe Maria disse...

que bom ter estado em silêncio. Assim, curtiu os sons da natureza.

Laura Ferreira disse...

adoro corujas.

bea disse...

Esteve em retiro espiritual? Ou foi apenas cansaço e desilusão?

Gaja Maria disse...

Estava a chamar-te para a rua, para a noite para veres o céu atapetado de nuvens movediças :)

luisa disse...

Benó,
Acho mesma que se tratou de uma coruja. Tentei perceber o que seria ouvindo gravações da vocalizações de um e de outro.

Janita,
E com razão, pelos vistos.

Manel Mau-Tempo,
… e um tanto misteriosas, devo dizer. :)

Afrodite,
Preconceitos… :)

Isabel Pires,
É mesmo. Gosto de tempos de silêncio e quietude.

Mãe Maria,
Exatamente.

Laura Ferreira,
E não há cá medos… :)

Bea,
Nem uma coisa, nem outra. Mera descrição do sucedido. :)

Gaja Maria,
Provavelmente. Percebeu que eu ia gostar de olhar o céu. :)

Ana Freire disse...

Aqui onde moro, existem imensas!
É rara a noite que não adormeça ouvindo o seu piar...
Um som que me acalma, a destas guardiãs da noite...
Gostei imenso do texto! Beijinhos!
Ana