sábado, 5 de junho de 2010

Egoísmo

Escolhi a hora do egoísmo para poder senti-lo só meu.

Ao longe ainda ecoavam as vozes alegres dos últimos banhistas que se apressavam em direcção aos seus chuveiros com a fome do jantar a arranhar-lhes o estômago. Os banheiros, esses já haviam guardado as almofadas das espreguiçadeiras e picado ponto da saída há algum tempo. O vento que soprava, cansado, fez de repente uma pausa. Indiferente, a maré prosseguia o seu vaivém que eu ouvia enquanto caminhava vereda adiante em direcção ao areal. Por fim, cheguei e senti-o sob os meus pés, ainda morno do sol que impiedosamente o queimou horas a fio. Como eu esperava, estava vazio...





Publicado também para a Fábrica de Letras ( Tema: Estava Vazio...)

4 comentários:

Helga disse...

Estava vazio, mas estava lindo e sereno. É um egoísmo que apetece. Desfrutar da paz do entardecer junto ao mar. Tenho-o aqui tão perto e desfruto dele tão poucas vezes. Preciso ser mais egoísta e procurar essa paz, que tanto me (nos) conforta.

Gostei muito...

Um beijinho :)

Mary Jo disse...

É tão bom assim o mar e a praia nessa hora...é a melhor hora!
Eu, tal como a Helga, tbm o tenho pertinho de mim...
Adorei a "hora do egoísmo" para definir a melhor hora!

bjinhos

. disse...

Egoísmo saudável: refletir acerca de si à beira-mar.

Lindo texto, Luisa! :)

Beijos,
Ane

Hyndra disse...

E praias vazias são tão boas!