domingo, 16 de outubro de 2016

Bucolismo de panela

Debruçada sobre o lava-louça, vou desfolhando longas hastes de espinafres para a sopa que estou a preparar. Uma a uma arranco-as com pequenos mas decididos puxões. Arranco-as como quem desfolha um malmequer. Loves me, loves me not. Il m’aime un peu, beaucoup, à la folie, pas du tout. Repito os movimentos, repito as palavras, numa ronda infindável. Esqueço-me do que coube à última folha e a torneira, de água corrente, encarrega-se de baralhar todos os dados. Lavo, em cada folha, cada possibilidade, como quem precisa desesperadamente de remover os pequenos torrões de terra endurecida, ou as pequenas larvas de insetos aconchegadas no verde e toda a poeira do ar que se incrustou ali, aqui, em mim. No jogo de palavras do refrão mecanicamente repetido perco a noção da dúvida, esqueço o questionamento, embalo-me no ritmo hipnótico das sílabas, desprendo-me do chão, deixo-me levar pelo vento sem pensar, até que, num remoinho mais forte, pouso de novo os pés na terra e deito as folhas lavadas na panela.

11 comentários:

Manel Mau-Tempo disse...

espinafres... salivo, e as teclas vão ficando escorregadias, algumas deixam de fnciona...

Janita disse...

Até na preparação de uma simples sopa de espinafres, pode haver poesia...

Bom Domingo, Luísa!

Célia Rangel disse...

É assim mesmo quando se cozinha com o melhor dos ingredientes - o amor! Tempero completo!
Abraço.

Gaja Maria disse...

Que sopa maravilhosa Luisa, quem a prova ficará certamente contagiado de amor e poesia. Bom domingo

AC disse...

Essa sopa deve destilar poesia, pela certa...
Bom texto, Luísa!

Flor de Jasmim disse...

Magnifico, adorei.

Beijinho Luísa

Rui Espírito Santo disse...

Diz-se que as flores gostam que se fale com elas ! ...
Será que alguém já se questionou se as folhas dos espinafres também ?... :)
Sinceramente, eu creio que se para elas é indiferente, não será para quem procede a esse trabalho !
Diz-se também que as refeições se devem fazer com amor ! :))
Ora, aqui é que não tenho dúvida alguma que isso é mais que verdade e daí achar que comeria com todo o gosto esse teu prato de sopa ! :)

Beijinhos bucólicos ! :)

papoila disse...

Gostei muito Luisa!
Bejs

Teresa Borges do Canto disse...

Que rica ideia para arranjar espinafres! O tempo assim voa, luisa, e mesmo que tivesse havido muitas dúvidas, de certeza que a sopa estava boa. :)

Os olhares da Gracinha! disse...

Nunca tinha imaginado que tal tarefa daria um belo texto!
Haja inspiração!!! Bj

Briseis disse...

Luísa, tu és o Alberto Caeiro da vida domestica! Gosto-te tanto como gosto dele!