segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Uma carta

Quando percebeu que, mais do que um bouquet de flores, ela gostava de arranjos de palavras, decidiu-se e escreveu-lhe uma carta.

15 comentários:

  1. Há quem nunca acerte nos gostos do outro.

    ResponderEliminar
  2. Também prefiro arranjos de palavras
    E como era a carta?

    ResponderEliminar
  3. E soube compor as palavras como se de um bouquet de flores se tratasse? É que há cartas e cartas...

    :)

    ResponderEliminar
  4. Oh quem me dera uma carta, substituia qualquer flor, por palavras daquelas que emocionam e que enchem a alma.

    Beijos Luísa

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  6. Adoro cartas ... e hoje em dia isso é tão raro :)

    ResponderEliminar
  7. Belo receber cartas que duram mais que flores, mas ambas merecem ser tratadas com carinho!

    ResponderEliminar
  8. :)) ... E não é que há cartas, verdadeiros bouquets de flores ? ...
    E tudo nelas é nosso e nos sai do coração e da alma !!! Nelas se pode transmitir aquilo que a simples maravilhosa beleza das flores não o consegue fazer !

    ResponderEliminar
  9. É de aplaudir a perspicácia de o ter percebido, e a atitude de ter actuado em conformidade =)

    ResponderEliminar
  10. E fez muito bem! Desde que saiba arranjar as palavras... :)

    ResponderEliminar
  11. Com uma caligrafia cuidada, é um oferta singular, presentemente rara...
    Uma flor, conjugava perfeitamente...
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  12. E assim... enviou-lhe um bouquet de palavras...
    Cartas... algo bem raro, hoje em dia...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar