segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Amor

Jovens. Eram tão jovens e franzinos. Ele segurava uma criança de colo no braço direito. O esquerdo abraçado a ela. Desciam a rua. Uns poucos passos e logo paravam para ele a beijar. Um beijo breve, junto à orelha. A camisa de xadrez abraçada às ancas dela, sobre os jeans, balouçava ao ritmo do caminho que seguiam. Os meus olhos, atentos ao trânsito mas atraídos por aquele amor que bailava no passeio do meu lado esquerdo. E o pudor em mim a não querer que o olhar se tornasse excessivo. Invasivo. Mas como resistir àquele amor?

19 comentários:

Os olhares da Gracinha! disse...

E quando bate mais forte
... nada a fazer!!!
Bj

Os olhares da Gracinha! disse...

E quando bate mais forte
... nada a fazer!!!
Bj

Maria Eu disse...

É magnético, não é? Também me confesso atraída por esses amores urgentes.

Beijos, Luísa :)

AFRODITE disse...


Que bem que escreves, Luísa dos olhos lindos.
E eu fico "apaixonada" só de te ler!
O AMOR é lindo...

Beijinhos senhora escritora
(^^)

conta corrente disse...

Olhar sem querer olhar.
Depois o carro arranca... e fica em mim um sentimento pequenino de inveja, perante a simplicidade e grandeza do amor alheio...
Mas é bom de ver.

Isabel Pires disse...

Luísa, bonito como o amor que tu viste!

Paula Lima disse...

às vezes sabe bem ver o amor dos outros! Não invadindo, mas acompanhando!

bea disse...

Eles não sentem a invasão, estão, entre si, inteiros e completos. E isso é o mais bonito.

Janita disse...

Quem consegue desviar o olhar quando se observam cenas de um grande Amor??...

Gostei muito de ler, Luísa. :)

papoila disse...

Tocante!
Amores urgentes, hoje ouvi uma cigana dizer que tinha dois filhos casados, ela de quinze casou este verão e ele de 17 casou no ano passado e alguém concluiu: tão novinhos....ao que ela respondeu: É o amor!
bjs

Laura Ferreira disse...

adoro estes amores feitos de corpos apressados...

Mona Lisa disse...

Ninguém resiste à magia , encanto e força do amor!

Uma ternura de texto!

Beijinhos.

Rui Espírito Santo disse...

Nestas situações, não há "pudor" que nos "segure" e impeça o olhar, mesmo que invasivo e notório !
É uma espécie de "regresso ao passado", de relembrar algumas situações passadas com nós próprios ! ... mas é tão lindo apreciar o amor ! ... mesmo que dos outros !!!...
... e descreveste-o tão bem, Luisa !!! ...

Beijinhos :)

ana disse...

São esses amores que nos fazem acreditar que ainda é possível:)

ana disse...

São esses amores que nos fazem acreditar que ainda é possível:)

Briseis disse...

o "invasivo" ou o "despudor" está nos olhos do observador, quando olha com essas intenções devassas. Neste caso, o olhar foi humilde, como que a recolher algum calor daquele amor, como as mãos que se aproximam de um lume.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Às vezes não vale a pena resistir...

Ana Freire disse...

Há amores assim... irresistíveis... para quem os sente e para quem os olha...
Beijinhos
Ana

Maria Gloria D'Amico disse...

O belo sempre quer ser admirado e, então, nos arrebata!