sábado, 15 de outubro de 2016

O mistério do mundo


(…)
Na nora do quintal da minha casa
O burro anda à roda, anda à roda,
E o mistério do mundo é do tamanho disto.

(…)

Álvaro de Campos*, in Ode Triunfal, 1914

* nasceu  em Tavira, no dia 15 de outubro de 1890

8 comentários:

Manu disse...

Sempre me fascinaram as noras, há muito que não via nenhuma.

Beijinhos Luísa

Ana Freire disse...

E o drama do mundo... é cada um rodar para seu lado... sem espírito de união ou solidariedade, para com o seu semelhante...
É mesmo assim... consegue-se explicar o mundo... se nos dermos ao trabalho de cuidar, e prestar atenção ao nosso quintal...
Uma imagem formidável, que se enquadra na perfeição nas palavras de Pessoa...
Beijinhos! Bom domingo!
Ana

Mona Lisa disse...

Belas e sábias palavras lidas soberbamente ilustradas.

Beijinhos.

Célia Rangel disse...

Texto e imagem numa linguagem metafórica riquíssima para a atualidade!
Abraço.

Portugalredecouvertes disse...

também gosto muito de noras Luisa! felizmente que ainda vai havendo bastantes cuidadas e recuperadas !

AC disse...

E, como as pessoas quiseram ir para lá do quintal, desnortearam. Agora, quando confrontadas com os mistérios do mundo, sentem-se mais burras que a burra da nora. Rejeitando o humor fácil, a culpa não é da sogra, não. :)

Uma boa semana, Luísa :)

Ricardo Santos disse...

Gostei da Foto e da poesia do Álvaro de Campos !

Os olhares da Gracinha! disse...

Acredito que sim!
Lindo seu registo...bj

Gosta de poesia e de fotografia?!
http://mgpl1957.blogspot.pt/2016/11/de-maos-dadas-com-os-poetas-e-olhares.html