quinta-feira, 10 de março de 2011

Trompe L'oeil




Passei por ali em hora diferente da habitual quando o vi pela primeira vez. Até àquele momento nunca me tinha apercebido da sua presença. No entanto já ali devia estar há muito tempo.
O hábito cega-nos. Só quando mudamos uma rotina conseguimos ver algo novo.
Surpreendeu-me aquele velho, debruçado na janela. As mãos de fora do parapeito. Cruzadas. O olhar vago e triste. Fixo. O cabelo branco emoldurado em fundo negro.
Agora, sempre que por ali passo, de novo na hora habitual, sinto o olhar irresistivelmente atraído para aquele vão de janela. Está lá o olhar do velho que suga o meu como um íman. Está ali, especado sobre a janela entaipada daqueles velhos casebres devolutos. Ao lado, as paredes ostentam grafitis com mensagens de vitória desta expressão artística. O velho, esse, "engana-me o olho", em preto e branco.
E fascina-me.

6 comentários:

Manuela disse...

Querida Luisa, imaginário este teu velho à janela ou real, fica bem por aqui...
Beijinhos :)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Pode não ser real, mas se desperta sensações em quem passa, já valeu a pena.

Catarina disse...

Em que edifício está essa obra de arte?

luisa disse...

Catarina,
São umas casas velhas que se encontram na Estrada da Penha, em Faro, perto do Campus Universitário. Como disse, ao lado há uma parede grafitada que já tinha atraído o meu olhar, mas só há pouco tempo reparei nesta janela.

ariel disse...

Muito bom texto e foto Luísa.

:))

Fê-blue bird disse...

Tantas vezes olhamos sem realmente vermos.
Excelente texto e foto. Uma reflexão sem dúvida!

Bjos