sábado, 5 de março de 2011

Santinho

Depois de uns minutos de espera, a cliente viu a rapariga sair pela porta lateral do balcão de atendimento do talho e avançar até à secção da charcutaria para a atender.

Disse-lhe que pretendia 150 g. de fiambre e aguardou enquanto ela o fatiava.

Enquanto decorria o processo de pesagem do fiambre, a rapariga espirrou. Desviou a cara da balança para o fazer e inclinou-se ligeiramente para o chão. Disse Santinho. Um espirro nunca vem só. E a cena repetiu-se duas ou três vezes. O talhante, que mostrava ar de coordenador da secção, fez-lhe um reparo. Ela respondeu “Eu disse Santinho”. A cliente lembrou-se dos ensinamentos repetidos à exaustão quando a gripe A estava na moda, sobre como espirrar ou tossir colocando a boca junto ao braço para aí limitar a área de dispersão de vírus ou outros bicharocos. A rapariga continuou espirrando e dizendo Santinho.

Conformada, a cliente achou que o Santinho combinava com as argolas brancas e gigantes que a rapariga trazia nas orelhas e com os anéis que lhe reluziam nos dedos.

6 comentários:

  1. Querida Luisa, essa cliente foi muito bem educada! Eu já não trazia o fiambre, de certeza ;)
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Ahahah! Eu teria deixado o fiambre na altura do primeiro espirro ...

    ResponderEliminar
  3. Imagine que eu pensava que "Santinho" devia ser dito por quem estivesse perto da pessoa que espirra. Eu nestas coisas sou um verdadeiro cromo, eheheh
    :)))

    ResponderEliminar
  4. Rapariga com educação esmerada.
    Faz-me lembrar o meu vizinho que, quando os filhos arrotam, exclama: "O que é que se diz?"
    E eles respondem: "Có licença".

    ResponderEliminar
  5. Um episódio lapidar do viver em Portugal. Diz-se "santinho" e está o caso arrumado.
    Será que a cliente comeu o fiambre? Ah, santinha!

    Beijo :)

    ResponderEliminar