quarta-feira, 23 de março de 2011

Esquisitices

Quem é que, no tempo da escola não brincou com alguns colegas àquele jogo textual, que consistia em escrever uma ou mais frases, dobrar a folha até deixar ver apenas as últimas palavras e passar a outra pessoa que continuaria a escrita, fazendo, por sua vez, nova dobra no papel e assim sucessivamente até ao fim da folha? Depois procedia-se à leitura do texto e o resultado era, na maior parte das vezes hilariante. Claro que era hilariante sobretudo para aqueles que o escreviam.

A esse jogo literário se chama cadáver-esquisito, numa tradução do original "cadavre-exquis" inventado por surrealistas franceses.

Ora, houve quem se lembrasse de reeditar essa brincadeira e o resultado é certamente surreal e bastante esquisito. Quem o escreve só pode, também, divertir-se muito.

2 comentários:

Catarina disse...

O jogo mais semelhante a esse que de momento me recordo é oral: passa-a-palavra. Os miúdos sussurram uma palavra ao amigo do lado, este, por sua vez, passa-a ao amigo seguinte tal como lhe pareceu ouvir.

luisa disse...

Catarina,
Também me lembro desse, chamava-se o jogo do telefone, acho eu...