quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

E eu aqui, algarvia, espremida entre a lentidão e o cumprimento



Neste texto sinto-me abraçada pela escritora. Ouso dizer que sou uma mistura desta herança lenta de deuses adormecidos ao sol e de quem costuma usar a chave do respeito pelos outros e cumprir. Cumprir o melhor possível.

8 comentários:

Manuel Veiga disse...

o direito à preguiça deveria constar da Declaração Universal dos Direitos do Homem. perdemos dois séculos, mas ainda vamos a tempo!

... enfim, acredito!

Os olhares da Gracinha! disse...

Também tento e detesto "preguiça" em excesso!!! Bj

Majo Dutra disse...

Muito interessante, Luisa!
Faltou dizeres quem é a escritora...
Beijinho algarvio.
~~~~~~~~~~~~

luisa disse...

Manuel Veiga,
Gracinha,

Acho que não é bem, bem de preguiça que o texto fala, mas preguiça qb não se deita fora... :)

Majo Dutra,

A ideia era seguir o link para o texto completo da escritora Lídia Jorge. :)

Janita disse...

Acho que depressa e bem há pouco quem, de modo que, para se ser cumpridor, não é necessário ser corredor...Devagar se vai ao longe...
Interessa sim, como dizes, cumprir o melhor possível. :)

luisa disse...

Janita,
Eu reconheci-me nesta ideia de lentidão. Por vezes sou mesmo muito lenta. :)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Leu "O Elogio da Preguiça", Luísa? Eu subscrevo...

luisa disse...

Carlos B. O.,
Por acaso, não li. Acredito que também subscreveria. O texto para o qual direciono o link é sobre a lentidão do sul, e é da Lídia Jorge.