sábado, 5 de fevereiro de 2011

O colchão

Há cenas de filme em que batalhas de almofadas resultam em chuva de penas. Vejo-as esvoaçar, leves, soltas, brancas, macias. Mas isso é com almofadas de penas... e até apetece.
Agora ponho-me a imaginar como teria sido a batalha, não campal, mas entre portas, que eu travei, quando criança, com uma prima da minha idade, contra o colchão que afofava a cama do quarto dos fundos. Não que o dito fosse especialmente fofo. Antes pelo contrário, imagino eu, já que era um colchão cheio de camisas de milho. Sim, camisas de milho, as folhas secas que revestem a maçaroca e que após a desfolhada eram recurso, entre outras coisas, para encher colchões. Outros tempos, no meio rural.
Do acontecimento não tenho memória. Mas lembro-me da minha mãe contar, de um dia em que ela e a mãe da minha prima nos deixaram sozinhas em casa - má ideia, claro - e ao regressarem deram com uma revolução de camisas de milho, espalhadas por todo o lado, e com um colchão esventrado e moribundo.

7 comentários:

Manuela disse...

Querida luisa, ainda me lembro desses colchões ;) O que tu foste buscar... já estava nos recônditos da memória... tinham de ser batidos para afofarem!
Beijinhos e obrigada pela partilha :)

AC disse...

Com penas ou camisas de milho (por aqui chamam-lhe folhelho) as brincadeiras das crianças são intemporais...

Beijo :)

Isa GT disse...

Era eu pequena e fomos visitar uma prima que vivia perto da Guarda e apesar de ser tão pequena ainda me lembro de ter dormido uma sesta depois do almoço... num desses colchões... tão fofos de início mas que depois de pouco tempo pareciam ganhar buraco... com o nosso formato.
Como diz a Manuela... as coisas que nós guardamos na memória e bastam umas palavrinhas para abrir o baú ;)

Bjos

Fê-blue bird disse...

Minha amiga:
A minha avó tinha um colchão desses, e eu quando lá ia ficava cheia de alergia, ela naquele tempo e com bastante dificuldade, comprou-me um de esponja ;-)
Nunca me lembrei de o destruir lol

Beijinhos e bom domingo

JoeFather disse...

Desse tipo de colchão nunca tive notícia, aprendi mais uma!

A infância é isso: bagunçar e aprender, não nessa ordem! :)

Abraços renovados!

Anónimo disse...

Luisa: Brinquei muito em colchões de camisas de milho pois apesar de não terem a fofura dos de hoje tinham algo que convidava aos saltos e outras brincadeiras. Apesar da alergia que tinha às tais camisas de milho gostava ainda de fazer uma covinha no meio do colchão...... brincadeiras de outros tempos que os meninos de hoje desconhecem como é natural ! Palma

SofiAlgarvia disse...

Eu dormia num colchão desses em casa da minha avó... eu refilava sempre que me cabia em sorte dormir naquela cama, eu era uma "comichosa" :)) e não conseguia adormecer, porque o ruído das camisas de milho aumentavam a minha espertina e nada de acalmar... um trauma para mim e para quem lá dormia comigo - o meu irmão!