quinta-feira, 1 de junho de 2017

Voo

a sombra do voo 
da gaivota
passa pelo branco imaculado 
da parede
desliza suave
como uma carícia
como se fosse a tua mão
descendo-me
pelas costas.

11 comentários:

Janita disse...

Muito romântico, Luísa.
Gostei! :)

Catarina disse...

Sinto aqui um ambiente romântico... 💖💖💖💖💖

Célia Rangel disse...

Sensualidade em seu poema! Gostei. Intenso.
Abraço.

Mona Lisa disse...

Belíssimo e de uma terna sensualidade.

Beijinhos.

Os olhares da Gracinha! disse...

Bem romântico!!! Bj

Gaja Maria disse...

Ummm. Sabe tão bem :)

Briseis disse...

Até me arrepiei... =)

Pedro Coimbra disse...

Uma gaivota, voava, voava...
Bfds

bea disse...

Uma gaivota a fazer sombra na parede...nunca me aconteceu. Só as conheço de junto à praia onde existem em breve e fugidia sombra que se dilui no reflexo das águas. E, quando o verão se anuncia, a saudade que delas tenho é tão perto de sem nome que o coração parece, às vezes, querer cair-me aos pés. É assim em cada verão. E depois, chega um dia estival e solar, claro de todas as coisas, em que os olhos me descansam no imenso verde-azul e elas ali, pontuais, numa atracção sempre próxima.

Elvira Carvalho disse...

Muito bonito.
Um abraço e bom fim-de-semana

Ana Freire disse...

Gostei deste voo por entre afectos...
Beijinhos
Ana