segunda-feira, 25 de maio de 2015

A pintura

Se eu soubesse, pintava. Pintava os campos ondulantes que vejo recortados suavemente no horizonte. Pintava-os na cor de oiro do pasto seco das forragens, com rolos gigantes de palha espalhados aqui e alinhados ali. Ao longe, pintava também uma carreira de círculos verdes, copas de árvores de geometria perfeita. E pintava ainda o céu, de azul pesado, acinzentado, de trovoada a chegar. Se soubesse, pintava até o cheiro da terra molhada por grossas pingas de uma chuva de maio, inesperada, desbragada, abafando poeiras. Se eu soubesse, pintava o voo planado da cegonha e o apressado do charneco. Pintava tudo isso e ademais pintava a estrada, negra de asfalto, linha reta rasgando a planície, engolida quilómetro a quilómetro pelas rodas do automóvel em que sigo viagem. 

9 comentários:

JM disse...

Luísa, quero ver essa tela do odor da terra molhada pela chuva de Maio. Quero ver isso. Saiba ou não saiba. :)

Catarina disse...

Ai se eu soubesse pintar...

Bia Hain disse...

Talvez por isso gostamos tanto de fotografia, um meio de pintar instantaneamente as paisagens que observamos. Tão bom viajar, não?Abraço!

Pedro Coimbra disse...

A minha habilidade é tal que tive um professor de desenho que pegava nos meus desenhos, à frente da turma toda, e, antes de os meter no lixo, perguntava alto e bom som:
Para que é que eu quero esta m...@???
Boa semana

Rui Espírito Santo disse...

... e não será precisamente isso que fazes com a tua máquina fotográfica ? ... não será uma foto (de quem tem olhos para ver "essas coisas") uma espécie de pintura ? ...
É que há dois tipos de fotos : aquelas de quem vê aquilo que aos outros passa despercebido e aquelas que se limitam a captar o que todos vêem !
Ora a verdadeira "pintura" a que me refiro, está nas primeiras !

:))

jorge esteves disse...

A verdade é que também se pode pintar assim, como aqui, no texto, com letras, vogais, consoantes, substantivos ou advérbios. De qualquer lugar que fica entre as linhas de onde escorrem as cores do que lá está foi escrito...

jorge

MARILENE disse...

Já tudo pintou, nessa descrição poética. Palavras são pincéis. Abraço.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Escrever também é uma forma de pintar, Luisa.

Rui Pascoal disse...

Não precisa de moldura, gosto dela assim.
:)