quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Lágrima


Há uma lágrima que não seca. Brota da raiva, do desespero. Rola devagar face abaixo e quando penso que vai finalmente secar, engrossa de novo na fonte e torna a jorrar. 

2 comentários:

Naná disse...

Essas que provêm da raiva, convém rolarem mesmo! Senão fica tudo ali engarrafado e é pior para quem a guarda...

AC disse...

É deixá-la jorrar, Luísa. Ela vai acabar por secar quando a raiva se esvair no caudal...