terça-feira, 20 de setembro de 2016

Um caso

Pela manhã, saí de casa com sol. O céu mostrava-se sem nuvens e assim esteve durante aproximadamente metade do meu percurso. Entretanto, comecei a avistar, ao longe, uma leve bruma que parecia querer enrolar-se nos raios solares. O horizonte cintilava num jogo de cores e texturas que despertou em mim uma forte curiosidade. À medida que eu avançava, adensava-se o nevoeiro até que o trânsito penetrou naquele corredor de humidade e deixei de poder observar o fenómeno brilhante que tanto me estava a cativar. Logo percebi que aquilo do nevoeiro era de propósito, só para não me deixar bisbilhotar o caso. Mas não me levam ao engano. Tenho a certeza que ali se deu um caso amoroso e que o que vi era um encontro secreto entre o final do verão e a primeira luz do outono.

16 comentários:

bea disse...

E porque não?! Eles encontram-se anualmente, há milénios. Pelo menos bons amigos serão. Um farto de nós e o outro ainda cheio de paciência para nos aturar. Dão-se um abraço, bebem um cafézinho a queixar-se de ninharias e vai cada um à sua vida.

Mister Vertigo disse...

Comecei a ler com curiosidade esta crónica até que um sorriso surgiu no meu rosto ao chegar ao final.
Magnifico:)

desabafosemrodape disse...

se era um encontro, este, não era um "encontro às cegas", embora não se deixasse ver. é a velha questão da privacidade.
excelente, Luísa.
bom dia.

Célia Rangel disse...

Muito criativa a sua maneira de se expressar a passagem dos ciclos do tempo!
Abraço.

Janita disse...

Um caso bicudo, portanto! :)

Bonito texto, Luísa.

Beijo.

:)

Isabel Pires disse...

Luísa, bem preparada para amanhã. :)

Mona Lisa disse...

Magnífico texto poético.

Beijinhos.|

Flor de Jasmim disse...

Bonita forma de um adeus e de boas vindas.

Beijinho Luísa.

Portugalredecouvertes disse...


Mas até sabe bem depois de tantos meses de céu azul, só azul mesmo !
não admira que te tenha inspirado para este texto bem bonito e poético :)

papoila disse...

Bonito texto.
Bjss

Benó disse...

O nevoeiro tem dessas coisas. Tapa para não ser indiscreto. Muitas vezes cega-nos.

Manel Mau-Tempo disse...

sempre suspeitei :)
gostei pra lá de tanto :)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Faço votos para que esse romance perdure e não acabe em divórcio...

Teté disse...

Epá, esse nevoeiro é cá um desmancha-prazeres... ;)

ANNA disse...

Te dejo mi blog de poesia por si quieres criticar gracias.
‌Me gusta mucho el tuyo.
http://anna-historias.blogspot.com.es/2016/09/muerte.html?m=1

Ana Freire disse...

Um texto encantador para assinalar a chegada do Outono!...
Bjs
Ana