quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Doce

Na aldeia, não havia quem não gostasse do Jerónimo. Todos eram unânimes em afirmar que o Jerónimo era um doce de pessoa. Estava sempre pronto para ajudar os vizinhos e só se lhe conheciam boas ações. 

Qualquer forasteiro que ali chegasse e precisasse de alguma orientação sobre o caminho a tomar para o seu destino encontraria no Jerónimo a pessoa mais disponível para prestar a informação necessária. 

As crianças que frequentavam a escola situada perto de sua casa gostavam tanto dele que obrigavam os pais a passar à sua porta para poderem ouvir uma das histórias que sempre tinha para lhes contar e chupar um dos rebuçados que sempre tinha para lhes distribuir. 

Era divertido com os jovens e atento aos mais idosos. Ninguém duvidava, o Jerónimo era o doce em pessoa.

No dia em que a carrinha do serviço de saúde passou pela aldeia para o rastreio, o Jerónimo foi fazer as suas análises. Quando lhe deram os resultados ficou a saber que era diabético.

14 comentários:

Tétisq disse...

doce, por dentro e por fora...

Rosa dos Ventos disse...

Como é que eu me consegui rir? :)
Só tu!

Abraço

Zilani Célia disse...

OI LUISA!
TENS UMA VEIA CÔMICA E CONSEGUES EM POUCAS PALAVRAS ESCREVER UM CONTO.
MUITO BOM.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Filha de José disse...

Um "doce" que não pode com doces...

Rui Pascoal disse...

Ser azedo também não ajuda muito...
:)

Jorge disse...

Um conto bem intencionado, sobre o nosso prestativo amigo Jerónimo, que foi surpreendido por um resultado peocupante.
:-*
J

Teté disse...

Um bocadinho de humor negro, não? :)

De qualquer das formas o "perfil" fez-me lembrar o daqueles portugueses que depois de chacinarem a família ou a vizinhança, vão lá os repórteres televisivos perguntar e todos dizem que era um "doce" de pessoa, que nada fazia prever a tragédia... :P

Naná disse...

Confirmou-se então que era mesmo um doce de pessoa :)

Ana disse...

Muito docinho, espero que não tenha mudado depois de ter começado a levar insulina...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

este post levou-me até a um outro Jerónimo sobre quem escrevi há muito tempo. Era doce, afável e fazia toda a gente feliz à sua volta, mas as curvas da vida conduziram-no a um caminho sem retorno. Sei que está algures em África, onde espero tenha reaprendido os trilhos da vida.
Bom FDS

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Os trilhos certos da vida

Briseis disse...

Que doçura de conto! =)

Gi disse...

:-D

AC disse...

Excelente, Luísa!

Beijo :)