quinta-feira, 26 de março de 2020

Lanchinhos


Raro era o dia, lá no trabalho, em que alguém não trouxesse um doce para partilhar. As desculpas não faltavam. Aniversário do próprio, dos filhos, do casamento, do tempo de serviço na instituição, por tudo e por nada lá se celebrava com uma fatia de bolo, uma bolacha, uns frutos secos, um quadrado de chocolate. Não havia dieta que resistisse. A coisa parece não amainar com o teletrabalho. Raro é o dia em que não se partilha, por imagem e palavras, ali no grupo de conversação do setor, o bolo que está a seguir para o forno, as fatias douradas do lanche, as panquecas feitas com os filhos, o folar, a tablete de chocolate. E nesta partilha virtual que só favorece o aumento da dose individual, nem sequer há necessidade de efeméride para celebrar.

25 comentários:

  1. Oh! Fiquei com vontade de comer uma fatia de bolo de nozes ou de iogurte que a minha mãe fazia tão bem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E só lendo, Catarina... Faria se visses as fotos que os meus colegas têm partilhado. :))

      Eliminar
  2. Ai as fatias douradas! Até me cresceu água na boca.
    Abraço e saúde

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto muito, mas é coisa que faço raramente. Mais em tempos natalícios. Faço especialmente para a minha filha que é doida por elas.
      Abraço, Elvira.

      Eliminar
  3. Os portugueses primam pelo convívio, mas isso implica comida e bebida, o que é bom se não for em exagero.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso, Ricardo, o convívio é virtual, mas a comida,em casa de cada um, bem real. :)

      Eliminar
  4. As celebrações virtuais têm uma vantagem enorme sobre as presenciais...É que se come, come, come, com os olhos... e assim... se mantém a linha- A cintura não alarga, :)

    É ou não é uma grande vantagem?

    Uma Santa noite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desse ponto de vista, sim, Ricardo Valério. Mas olhe que quem mostrou comida também a comeu. :))

      Eliminar
  5. ...e com a vantagem de olhar, não engordar! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando passar o covid e nos voltarmos a encontrar, veremos se engorda ou não. :)

      Eliminar
  6. Julgo eu que os doces são uma compensação para o que se vive. Ajudam a suportar e ocupam a mente enquanto se confeccionam. Pois é, têm o inconveniente da roupa nos deixar de servir e os açúcares subirem. Não há bela sem senão. Aposto neles. Cada um com as suas opções.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por enquanto ainda não me deu para fazer doces. Fiquei pelo quadradinho de chocolate. Mas vem aí o fim de semana... :)

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Ando demasiado ansiosa para engordar. Já da tolice não devo escapar. :)

      Eliminar
  8. No meu local de trabalho fazemos o mesmo.
    Sobretudo às sextas.
    Bfds

    ResponderEliminar
  9. Temos de continuar a celebrar para não esquecer de o fazer!!! Bj

    ResponderEliminar
  10. Se partilhássemos ginástica estaria a coisa mais encaminhada...mas isso é uma canseiraaaa e com tão boa que está a comida (escrevo com a boca cheia de arroz doce para que conste...as coisas estão a descambar depressa por aqui)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, também ainda não me dediquei ao exercício físico. :(

      Eliminar
  11. Somos pessoas que partilham, isso é bom!
    Beijinho Luisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isolamento físico, apenas. Há que manter o convívio, mesmo que mediado pela tecnologia. :)

      Eliminar
  12. Bom dia de sábado com paz e saúde, querida amiga Luisa!
    As fatias douradas me enlouquecem e aqui tem uma confeitaria que não as deixam faltar na vitrine e sempre fresquinhas as 9h.
    É preciso seriedade na dieta, agora que não podemos sair quase e o faço com esmero, fico em casa.
    Sinto falta das caminhadas...
    Tenha um final de semana abençoado e na proteção contra o vírus impiedoso!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderEliminar