sábado, 4 de agosto de 2018

Calma


Acabei de ouvir cantar um galo. Não imaginava ouvi-lo assim pela calma. É suposto os galos cantarem de madrugada. O seu canto, a esta hora, só pode ser um lamento, uma queixa. Tal como o piar dos pardais que se aninham no meu telheiro e que de igual modo se lastimam. Assim penso eu que os ouço aqui de dentro de casa e faço de conta que lhes entendo a linguagem. Não sei em que traço da escala estará agora o marcador do termómetro que não tenho por aqui mas, assim a toque de pele, nem eu me aguentaria agora debaixo daquele alpendre. Confino-me às quatro paredes, até que passe este tempo de recolher quase obrigatório, bebo mais um copo de água, folheio mais umas páginas da revista.

9 comentários:

  1. Coitado do galo!:) Então ele lança um pedido de ajuda e ninguém o socorre?!
    O pobrezinho deve pensar que o forno o espera, daí a aflição.:)

    Bom fim-de-semana, de preferência mais fresquinho.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom fim de semana, GL. E sim, há que procurar o fresco. Vou tentar a mangueira. :))

      Eliminar
  2. Nem ele deve estar aguentado o calor. Ouvi dizer que está demais essa onda por aí na Europa! beijos, fiquem bem,chica

    ResponderEliminar
  3. Está difícil de suportar, Rejane. Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  4. Está muito calor. não se aguenta. Coitado do Galo :)!!

    Destino incerto, por onde padeço. (Poetizando e Encantando)

    Beijo e um bom fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ao fim do dia piorou. O galo estava a adivinhar a trovoada que se seguiu. Só pode, Cidália.

      Eliminar
  5. Pois...mas a calma de hoje não me impediu de sair para o braseiro, Luísa.:)
    Peguei no meu sombrero e fiz-me à 'rua'. Quando o que tem de ser tem muita força, arejamos até de coração a ferver! ehehehe

    Dizem que pelo Algarve já vai chover, será verdade?

    Beijinhos. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E choveu mesmo, Janita. Uma chuva grossa e quente, seguida de um vento tão, tão quente que logo secou o molhado. Ontem à noite esteve impossível. Ao ponto de, contrariamente ao que é costume, fecharmos as portas porque o ar da rua parecia vindo de um forno.

      Eliminar