domingo, 23 de abril de 2017

Os livros

Meses atrás, excetuando a praia ou a sombra do telheiro no verão, o meu local de leitura era a cama e a mesa de cabeceira acolhia, e continua a acolher, uma média de quatro a cinco livros empilhados que, à vez, me acompanham nos últimos momentos de vigília de cada dia. Quando dei cabo do pé e comecei a passar os dias inteiros na sala, para lá foram desviados das estantes do escritório, onde raramente subia, uns quatro ou cinco mais. Agora só lá estão três, mas sinto que, depois deles, outros tomarão o seu lugar e mesmo que não mais passe longos períodos no sofá, dali não arredarão as páginas nem seus marcadores. São uns verdadeiros “ocupas”, os livros. Quando se instalam, dificilmente são despejados.

24 comentários:

xilre disse...

E mais: não apenas não saem como começam a atrair companhia. Não apenas "ocupas" -- antes colonizadores.

Gracita disse...

Livros são nossos companheiros e onde quer que estejamos conosco os levaremos e por lá ficam aguardando outros momentos de carícia quando os folheamos para nos deliciar com seu contexto
Um bom domingo Luisa

Catarina disse...

Aqui tb acontece. Apenas sao despojados quando devem ser reemcaminhados para a biblioteca. Os que aqui residem permanentemente ficam nos mesmos lugares meses e meses...
: )

luisa disse...

Atrevo-me a dizer, caro Xilre, que perante tais colonizadores, nós, os nativos destes territórios caseiros, não nos importamos sequer que, em certos dias, eles até nos escravizem.
:)

São, sim, Gracita. São companheiros que gostamos de acariciar a cada virar de página.
:)

Não há como demovê-los, Catarina. Digamos que nos fazem "finca-página".
:)

Os olhares da Gracinha! disse...

Por aqui ... estão muitos em fila de espera!!!bj

luisa disse...

Gracinha,
E aqui. É um desespero, por vezes, não poder atendê-los. :)

CCF disse...

Também para mim têm sido uma companhia. Para que me colonizem já é preciso que me apaixonem, o que nem sempre acontece.
~CC~

Manuel Veiga disse...

são "ocupas" e uns invejosos!
cada um a reclamar o tempo dedicado dedicado aos outros...

Célia Rangel disse...

Livros para mim são meus eternos companheiros: - impressos ou digitalizados sempre estão ao alcance dos meus olhos. Agradeço pelo divino dom de olhar perfeitamente, de ser alfabetizada e ter entendimento de textos onde viajo, me emociono, e me sinto completa.
Abraço.

luisa disse...

CC,
Sim, a paixão tem um papel fundamental. Embora alguns também me apanhem à custa de uma espécie de teimosia minha. Embora não me apaixonem vão-me levando nas suas palavras fiadas e acabo por lhes pegar, uma e outra vez, para ver se acabamos por nos entender. :)

Manuel,
Isso também é verdade e de tal modo que chegamos a sentir culpa, não é? :)

Célia,
Do melhor que há quanto a companhia. Eu prefiro definitivamente os impressos. :)

bea disse...

Mas são uns ocupas camaradas, sem voz, falam; silenciosos, dizem, chamam, gritam. Se tomados por inteiro, amolecem o coração mais violento; indignam o ser mais pacífico; amedrontam o mais destemido. E fazem pensar, são a corda de saltar da mente, a braçada das meninges, a espargata das células cinzentas. E ainda por cima criam público fiel e interactivo, verdadeiro seguidor do mistério que cada um encerra.
É mau para um sujeito viver sem livros. É pior se não lê.

Janita disse...

E ainda bem que não recebem ordem de despejo, Luísa.
Eu vou encaixotando uns para dar lugar a novos inquilinos das mesas e mesinhas de minha casa. O livro é um amigo que nunca nos deixa sentir sós.

Gaja Maria disse...

Amigos inseparáveis uns dos outros e cada vez fazem mais amizades :))

luisa disse...

Bea,
São isso tudo, sim. São capazes de tanto… Até de nos transformar.

Janita,
Não se desfazer dos livros também é um problema. Um grave problema de espaço. :)

luisa disse...

GM,

Amigos indispensáveis, diria eu. :)

Benó disse...

Adotei os ebooks. Não ocupam espaço e levo-os comigo para todo o lado. Não pesam e como gosto de ler vários ao mesmo tempo, esta é uma maneira prática de satisfazer este hábito.Ofereço também para a Biblioteca daqui.

Eros disse...

Em minha casa, deixo-os percorrer os meandros do meu escritório e da minha sala. No quarto, não permito a entrada de livros, nem tv's. É o meu refúgio. Serve para dormir, sem direito a quaisquer tipo de distracções epopeicas... há excepção daquelas que ficam grafadas nos vincos dos lençóis :)

Boa semana, Luísa.

Urso Misha disse...

e que venham muitos mais que lhe preencham o tempo e dê por bem investido...

Laura Ferreira disse...

os livros são das minhas melhores companhias.

beijinho Luísa

Briseis disse...

Quem lê livros, nunca vai dormir sozinho, li uma vez não sei onde... =) venha de lá um dia destes um post com reflexões e opiniões sobre as leituras, Luisa! =)

luisa disse...

Benó,
Sobre os ebooks , acredito que seja prático mas ainda não aderi. O livro em papel tem, para mim, outro encanto. :)

Eros,
Pois eu, onde mais gosto de ler é mesmo na cama. :)

Urso Misha,
Eles vão sempre chegando. O problema é já não ter estantes que cheguem. :)

Laura,
Para mim também.

Briseis,
De facto, é muitas vezes abraçada a um que adormeço… :)

deep disse...

O meu local preferido para ler continua a ser a cama e, como tu, também deixo que os livros se amontoem no baú que serve de mesa de cabeceira. Por norma, leio vários livros ao mesmo tempo... «uma promiscuidade», como costuma dizer uma amiga.

Boas leituras, luisa.

luisa disse...

deep,
Houve um tempo em que só lia um livro de cada vez. Era como um receio de misturar as histórias, ou um receio de abandonar uma em detrimento de outra. Agora, não. Digamos que me tornei também extremamente promiscua... :))

Ana Freire disse...

E alguns... são literalmente devorados... depois de iniciados...
Mais no Verão... com mais tempo, para pôr as leituras em dia...
Beijinhos
Ana