sábado, 28 de julho de 2012

Manhã de praia



O vento sopra os cheiros da encosta. No ar misturam-se os aromas da figueira, do pinho e do tomilho. No céu pairam as gaivotas e sob os meus passos ecoa o restolho da caruma. Pela vereda de terra avermelhada vou descendo até chegar ao passadiço de madeira que me conduz ao areal. A concessão de toldos ainda espera por quem ocupe as suas sombras enquanto nas zonas livres se amontoam, desordenados, os guarda-sóis.

Circulo junto à falésia em busca de um local mais deserto. Passo rente aos nadadores salvadores que conversam junto ao abrigo de madeira onde arrumam os seus pertences. Um deles está recostado numa espreguiçadeira. Despiu a t-shirt, ostenta a tatuagem que lhe floresce no flanco e entretém-se com uma pinça depilando um a um os pelos do abdómen.

Junto à rebentação das ondas apressam-se homens e mulheres em corridas desencontradas. Uns para leste. Outros para oeste.

Encontro por fim o sítio certo para estender a toalha. Largo os chinelos e sento-me olhando o mar. Aproveito o tempo leve da manhã. Respiro.


7 comentários:

Ana disse...

descrição brutal (tirando a do nadador estar com a pinça, que coisa esquisita...)
beijos e boa praia

luisa disse...

Pois não tires essa parte Ana, porque a parte da pinça... foi assim mesmo :)

AC disse...

Um observar da faina até se chegar ao sítio certo. Tudo pausado, tudo tranquilo. Só assim se respiram os elementos de forma intensa.
Bom texto, Luísa!

Beijo :)

Rui Pascoal disse...

Se ficas com o pelo encravado... quem te salva, nadador?
:)
Que bela descrição! Por momentos senti-me no Algarve...

Rosa dos Ventos disse...

Boa capacidade de observação e de descrição! :-))
Manhã de esplanada a ler os jornais!

Abraço

Briseis disse...

Caramba, que Odisseia até encontrares finalmente um cantinho decente...longe do nadador-salvador metrossexual masoquista...lol

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Teve sorte, Luísa. Por aqui a manhã esteve cinzenta e só a meio da tarde o céu se descobriu num azul pálido.
Bom fim de semana