sábado, 6 de setembro de 2014

SPA

Resolvi escrever aqui sobre um problema que há vários anos vem afetando a minha família. É um mal que atinge apenas os elementos do sexo masculino: o marido e o filho. Ao longo do tempo, tenho observado a forma como se manifesta e, não tarda, estarei apta a publicar um qualquer artigo científico sobre a matéria.

A SPA, ou síndrome da porta aberta, pode surgir a qualquer momento do dia ou da noite e incide, na maioria das vezes, na porta do frigorífico ou na da despensa. O pequeno armário onde o estão guardados os medicamentos de toma diária também costuma ser alvo dos surtos de SPA.

Claro que quando as crises se manifestam com a porta do frigorífico, a situação é mais problemática. Com as portas dos armários e da despensa a questão não passa de um mero incómodo estético. Mas com o frigorífico, o aborrecimento é maior. Força o motor, criam-se camadas de gelo, pinga água para o chão, sobe a conta da eletricidade… Enfim, uma dor de cabeça.

Como referi anteriormente esta síndrome apenas afeta os elementos do sexo masculino da família. O pior é que se trata de um problema de difícil reconhecimento. Vejamos a reação do mais velho. Se a porta do frigorífico está aberta, quase de certeza que não foi ele que a deixou assim. E se assim sucedeu é porque o frigorífico não está devidamente colocado. A sua inclinação não é a mais correta e devido ao peso das coisas que se encontram arrumadas na porta, dá-se o caso da mesma não se fechar como deveria.

Diagnosticada a causa, decide-se resolver já, já o problema. Afina-se a inclinação do frigorífico e pronto. Agora a porta já não precisa de ser empurrada para fechar. Basta largá-la e ela, suavemente, fecha-se como deve ser.

 Ah, finalmente.

Mas não. A síndrome da porta aberta é tramada para recidivas. Passado algum tempo, em qualquer momento, a qualquer hora do dia ou da noite, damos com a porta do frigorífico aberta. O que foi agora? Ah, pois. O mesmo elemento masculino da família puxou a gaveta da fruta para retirar um pêssego e não a empurrou devidamente. E ali ficou encalhada, mais uma vez, a porta do frigorífico.

A par da SPA, os elementos masculinos da minha família também padecem frequentemente da STG ou síndrome da tampa do garrafão. Os sintomas são muito semelhantes aos da SPA e traduzem-se no facto do garrafão ficar quase sempre destapado depois de se ter despejado água para o jarro, por exemplo. Tanto a SPA como a SPG acabam por afetar os familiares dos doentes que estão constantemente a fechar portas de armários e de frigoríficos ou ainda a enroscar tampas nos garrafões de água.  Já pensei até criar um movimento qualquer, uma associação de familiares de pessoas que padecem de SPA, por exemplo, para poder trocar experiências e saber que não estou sozinha nesta luta.

Ou estarei?


13 comentários:

Majo disse...

~
~ Então, não é que eu caí na armadilha?
~ kkkk...kkkk...kkk...
~ A pensar num mal novo e estranho!
~ Não tem nada de novo.

Rui Pascoal disse...

Isso já é muita maldade! Como eu os compreendo...
:)

Catarina disse...

Ahahah!
E eu a pensar num qualquer SPA… talvez em Vilamoura!

Rosa dos Ventos disse...

Penso que é um mal que atinge o sexo masculino em geral...pelo que descreves!
Agora só tenho um em casa e chega!
Mas esse também sofre de SLA - síndrome da luz acesa e de SGA - síndrome da gaveta aberta! :(

Abraço

Flor de Jasmim disse...

Também cá em casa o sexo masculino sofre desse síndrome e mais uns quanto, como o SLA- síndrome da luz acesa, STP- síndrome das torneiras pingarem e outros mais.

Bom domingo Luisa.

Beijinho e uma flor

Graça Sampaio disse...

De mais, Luísa!! Ri-me que me fartei, mas lembrei-me de outros síndromes que afetam o único elemento masculino cá da casa: ele, coitado, sofre sem cura do SLA - síndrome da luz acesa; do SGA - síndorme da gaveta aberta; e o pior de todos o STSL, muito mais complexo e difícil de combater (tal como os outros) e que é o Síndrome da Tampa da Sanita Levantada...

Enfim...

SPA - foi uma sigla que eu criei lá na direção da minha escola quando fomos obrigados a fazer aulas de substituição: Substituição do Professor Ausente - e assim ficou...

Beijinhos

papoila disse...

Luisa, adorei e só me lembro de como é útil o SDJ- Sindrome de Jó
bjs

Gi disse...

É geral, Luisa. Não há nada a fazer.

© Piedade Araújo Sol disse...

é uma epidemia, mas não há maneira de a erradicar.

sorrindo...

:)

Ana disse...

por aqui é igual, houve uma altura que era a porta do combinado, chegava a casa e estava tudo cheio de gelo, cheguei a ter uma gaveta que nem abria, tanto era o gelo, mas nunca é ninguém...
boa semana

Carla disse...

Cá em casa sofre-se disso tudo e de SLA - síndroma da luz acesa. :D

AFRODITE disse...


ahahahahah
Ri-me a bom rir!
Tu és danada mulher!!

E como se não bastasse a risada que dei ao ler-te, ainda dei segunda risada ao ler o comentário da Graça!!
É que eu estava a estudar a sigla que iria aqui colocar para descrever o grave surto que acomete o meu filho há mais de uma década! STSL... é isso mesmo!!
Felizmente o pai não sofre de nenhum desses síndromes... sou uma mulher afortunada!
:)))

Beijinhos com síndrome de boa disposição!
(^^)

João Ventura disse...

Olá Luísa
Todos os enunciados são casos particulares de uma problemática mais geral, o PVF: Problemas da Vida em Família. Ia escrever aqui uma lista de mais alguns, mas verifiquei subitamente que tive um ataque de ECP (Esquecimento de Comprar Pão)!

Bjns

PS-Obrigado pela visita ao "Das Palavras o Espaço" :)