terça-feira, 16 de setembro de 2014

Inveja

Invejo quem tem a palavra fácil. Falada ou escrita, mas fácil. Dura ou meiga, mas fácil. Parca ou abundante, mas fácil. É uma inveja diária que me assalta a cada palavra que não digo, a cada palavra que não escrevo. É uma inveja que me dói, de uma dor semelhante à que se cumpre a cada palavra que, muito a custo, digo ou escrevo.

12 comentários:

Mara Paz disse...

A sério? A Luísa escreve tão bem que ninguém diria.

Graça Sampaio disse...

Não aceito este título de «inveja» porque não te pressinto invejosa. Tens pena de não teres essa palavra fácil. Mas só se for oralmente, porque a palavra escrita sai-te muito bem...

Eu também fico com pena de não ter facilidade em comunicar bem oralmente, mas que se há de fazer?

Cada um é como é.

Beijinhos

Susana Correia Dos Santos disse...

Mas tu escreves tão bem... não precisas sofrer do mal de inveja, não tens motivos para isso :-)

Susana Correia Dos Santos disse...

Mas tu escreves tão bem... não precisas sofrer do mal de inveja, não tens motivos para isso :-)

Teté disse...

Como te compreendo... embora inveja seja uma palavra forte demais, para esse feeling! :)

Beijocas

redonda disse...

Isto está tão bem escrito - assim como outros textos que já li aqui que não consigo perceber como é que seria possível invejar um outro pelo dom da palavra que também se tem (e eu é que deveria ficar com inveja por não ser capaz de escrever assim!)
um beijinho
Gábi

JM disse...

Mas, Luísa, na sua prosa o que se vê são palavras na sua melhor ordem. E quando não é o paradigma das palavras são fotos absolutamente deliciosas. :)

Pedro Coimbra disse...

Pelo que aqui vou lendo não tem razões nenhumas para se sentir invejosa.
Bem pelo contrário, deve sentir-se grata pelo dom que tem de escrever bem e com facilidade.

jorge esteves disse...

Mas como vê, escreveu 'Inveja' sem 'inveja'. Afinal, escrever é só isso: começar... e depois suar!
Abraço.
jorge

luisa disse...

Fico-vos muito grata pelos amáveis comentários. O facto é que se a palavra sai, umas vezes melhor, outras pior, ela sai-me a custo. Devagar. É quase sempre um exercício puxado. Como diz o Jorge Esteves, é coisa para suar. E depois vejo pessoas que são todas ginasticadas nisto e completam exercícios atrás de exercícios com uma perna às costas. :)

Rui Espírito Santo disse...

Ora aí está uma questão em que me revejo perfeitamente, Luisa !
É um dom que não está ao alcance de qualquer um e infelizmente sou um deles ! :)))

Um beijo sem invejas, mas cheio de pena ! :)))
.

Maria Eu disse...

Eu também!

Beijinhos Marianos, Luisa! :)