quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Sinais

Passou por aqui o amola-tesouras. Primeiro ouvi-lhe o som da gaita, depois avistei-o caminhando pela rua com a sua bicicleta apetrechada com todo o equipamento necessário ao ofício de amolador. Vai pronto para afiar facas, tesouras e sei lá o que mais. Percorre as ruas de Faro e toca a gaita anunciando o serviço que se dispõe a prestar. Dizem que quando passa o amola-tesouras é sinal de que vem chuva. São sinais de outros tempos que, se a previsão meteorológica não falhar, estou prestes a ver cumprir-se. Cá para mim, o amola-tesouras adaptou-se aos tempos modernos, consultou a internet e vendo que dá chuva para amanhã, fez-se à estrada para mostrar que há dias em que a tradição ainda é o que era.

16 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Aqui também o ouvi de manhã e pouco depois começou a chuviscar! :-))
Ainda tenho mais uma semana para gozar aí em baixo...se não der para banhos de mar e de sol dará para passear!

Abraço

Rui Pascoal disse...

Eu cá não ouvi nada, só mesmo a chuva a cair.
:)

Arco Iris disse...

Gosto de ouvir o som da presença do amola tesouras....

Ricardo Santos disse...

Esses "tipos" trazem sempre chuva... :))
http://www.youtube.com/watch?v=4fk9mm6sQFs

Graça Sampaio disse...

Não acredito! E quando não havia internet?!....

(Bela imagem que fizeste de mim para o desafio do Rui da Fonte. Muito gira. Mas eu não a descobri. Pensava que era mais para a Rosa dos Ventos... Sou fraquinha nisto dos desafio com adivinhas...)

Beijinhos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Tem piada! Por vezes dou comigo a pensar o mesmo, quando o amola tesouras daqui da zona aparece a anunciara chuva. Ontem, quando cheguei a Lisboa, uma amiga disse-me que ele tinha andado por aqui pela manhã e eu confirmei que aquela neblina que vira no horizonte, a partir da Serra da Boa Viagem,estava mesmo a prenunciar chuva.

Tétisq disse...

por aqui também choveu mas, o amola tesouras, não vi...

Pedro Coimbra disse...

Acredito que haja muito boa gente que nem sabe do que é que está a falar, luisa
Ofícios que vão desaparecendo :(

jorge esteves disse...

(passei por causa de máquinas de escrever e de teclas; poderá facilmente saber porquê...)
Há muito que não o vejo. O ser'Antero amolava tesouras, deitava pingos nos tachos furados e punha 'gatos' nas travessas do cozido... Já foi! Ficou o som agudo esparramado nas paredes da rua.
Gostei de passar aqui.

jorge
www.tintapermanente.com

Vane M. disse...

Adoro conhecer tradições e não conhecia essa. Aliás, está aí um ofício raro hoje em dia. Um abraço!

Rui Espírito Santo disse...

Vou-vos contar um segredo, mas não é para divulgar ! eheheh
Sabem que, em miúdo, quando me perguntavam "o que queres ser quando fores grande"? ... a minha resposta estava na ponta da língua : "Quero ser amola tesouras e navalhas" - aquela gaita também me fascinava e pedia-lhes para me deixarem tocar !!! ahahah ... e esta ? rsrsrs

Um belíssimo futuro sem duvida ! :)))
.

Janita disse...

Olá Luísa,

O Amigo Rui tinha razão em querer ser amolador! Aquela música tinha, no nosso tempo de catraios, um sortilégio especial.:))
Relativamente ao prenúncio de chuva não sei...porque desde miúda nunca mais vi nenhum amolador de facas e tesouras!

Quanto ao andar a vasculhar no teu blog para encontrar uma imagem que te retratasse, foi um prazer! Vi muitas e todas lindas, mas aquela foi a tua 'primeira'...achei que teria um valor especial para ti.:)

Abraço.

Janita disse...

Fiz-me tua seguidora e fiquei admirada por não me ver aparecer...afinal, já estava lá atrás, bem ao lado do então...Rui da Bica!! eheh

luisa disse...

Caríssimos,

Hoje esteve um dia de sol e calor e eu já estava a ficar descrente destes sinais... :) Mas afinal, já de noite caíram umas gotitas. Se calhar amanhã é que é. :))

Naná disse...

Sempre senti um arrepio na espinha quando ouvia o amola-tesouras... mas não era no mau sentido. Hoje em dia, fico feliz por ainda subsistirem alguns mestres desta arte... e ainda por cima tenho lá uma tesoura a precisar de ser amolada!

Ana disse...

Não ouço um senhor desses há séculos!
Quando vivia em Coimbra havia um senhor que tinha uma loja... Eu bem precisava de afiar umas facas...