terça-feira, 23 de abril de 2013

Livro


Havia já muitos anos que estava ali, apertado, na estante. A sua história era pequena. Não tinha mais que cinquenta páginas, contando palavras e desenhos. Alguns desenhos estavam pintados de cores garridas mas nem por isso achava que eram mais bonitos que os desenhos a preto. Esses combinavam com a cor das palavras. Tinta preta sobre fundo branco. Ou sobre fundo que já fora branco. Ao fim de tantos anos as suas folhas acabaram por tomar um tom amarelo, quase castanho nos cantos exteriores. Mas isso não importava. Tanto mais que já ninguém o folheava. As palavras queixavam-se de não serem lidas. A última página ouvia os suspiros da primeira e as do meio chegavam a soluçar de tristeza. Quando algum vizinho era retirado da estante, mudava um pouco de posição. Inclinava-se para ora para a esquerda, ora para a direita e aproveitava para desentorpecer as folhas. Havia já muitos anos que não chegava a sua vez de sair da estante. Não lhe adiantava de muito queixar-se aos maiores que costumavam empurrá-lo de um lado para o outro. Não queriam saber. O que lhes importava o sentimento de tão pequena e insignificante criatura? Eles sim, eram interessantes. Serviam para tirar dúvidas e estavam constantemente a ser utilizados. E o pequeno livro, o da pequena história escrita e desenhada em pouco mais de cinquenta páginas percebeu que tinha de fazer alguma coisa. Não podia mais conter o desespero das suas palavras encurraladas. Precisava de se mudar para onde o voltassem a ler. Esperou, atento, pela primeira oportunidade e, num dia 23 de abril, aproveitando que a estante ia ficando mais vazia com a saída de alguns dos seus vizinhos importantes, respirou fundo, abriu-se ao meio, sacudiu as folhas e levantou voo, em busca de leitor.


10 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Que bonita e criativa homenagem ao Livro no seu dia!

Abraço

Arco Iris disse...

Parabéns pelo texto. Como ele "livro"
ficou feliz.

Teté disse...

Adorei o teu texto! E só me lembrava d' "O Princípezinho", um pequeno grande livro que não sei quantas páginas tem, pois perdi o meu exemplar... Também ele nos dá vontade de voar, como esse que esvoaçou da estante! :)

Beijocas!

quem és, que fazes aqui? disse...


Há sempre um dia em que o livro se abre.

Beijo

Laura

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Adorei esta sua homenagem ao livro que penso poder ser extensível aum tipo de leitor!

maria disse...

Muito bom o texto Luísa :)))

Que o "livro" seja feliz :)

Beijinho :)

redonda disse...

Gostei muito deste livro.
Um texto incrível e fiquei com vontade que o pequeno livro pousasse por aqui para o poder ler.

um beijinho

Pedro Coimbra disse...

Uma forma muito bonita, enternecedora até, de comemorar o Dia do Livro.

Ana disse...

E espero que tenha encontrado alguém:)
beijinhos

Constance disse...

Adorei! Gosto TANTO da forma como escreves :) E também tenho um amor pelos livros imenso, é tão triste quando estes são esquecidos...