terça-feira, 5 de março de 2013

A lavandaria


Resgatei o colete que estava na lavandaria. Foi por pouco, mas cheguei antes do fecho. Não falo do fecho da hora de almoço. Nem do fecho do final do dia. Por pouco, nem dava pela porta da lavandaria. As montras, cobertas de papel, a ocultar o interior, as máquinas e os ferros de passar. Na porta, levemente entreaberta, um recado da patroa agradecia aos derradeiros clientes que, para qualquer assunto, ligassem o número de telefone tal, tal. Tive sorte. Naquele momento a patroa estava lá dentro. Entregou-me o colete sem precisar de conferir o talão do serviço que eu lhe estendia. Estava fechando. Não podia continuar a trabalhar só para as despesas. Fim de linha. 

Resgatei o colete que estava na lavandaria. Era um colete cinza. Da cor destes dias.

10 comentários:

Rui Pascoal disse...

Além de cinzentos os dias ainda estão muito frios e só de pensar no colete... arrepia.

Rosa dos Ventos disse...

Mais um espaço para vender ou arrendar! :-((
Mais uma família sem um meio de subsistência...
E eles cegos, surdos e mudos!

Abraço

Arco Iris disse...

Infelizmente...é o que se vai vendo por esse País fora.
Resta-nos"Esperança" para dias melhores.
Bjs

Margarida disse...

A triste realidade destes dias. Dia sim, dia sim... Às vezes nem me parece real o estado a que chegámos. Um beijinho!

Naná disse...

É incrível a quantidade de lavandarias que tem ido fechando as portas por estes dias...

Talia disse...

Dias absolutamente cinzentos e frios...

Teté disse...

Uma realidade cada vez mais próxima de nós. Triste, muito triste mesmo ver o pequeno comércio a fechar portas todos os dias... :(

Beijocas, Luisa!

Ana disse...

Infelizmente é m cenário que se torna muito comum...
<beijinhos e espero que venham dias mais coloridos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Na zona onde trabalho, todas as semanas vejo lojas a fechar. Aguns espaços estão assim há meses. Outros, reabrem com outro ramo de negócio mas, alguns destes, acabaram também por fechar.
Os dias já não estão cinzentos, luísa, estão negros como breu!

Pedro Coimbra disse...

Vi dezenas de cenas como essa na Baixa de Coimbra.
Chocou-me tanto!!
Lojas que me tinham acompanhado toda a vida eram no mês de Julho do ano passado fantasmas com papeis nas montras, no interior.
Impressionante!!