quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O canto da água


Corre clara ao despenhar-se no tanque e canta, alegre, o seu destino de rega.

Invejo-lhe a leveza e o conforto da certeza da missão que lhe compete e que cumpre a cada impulso, a cada ordem da válvula que, ali ao lado, a mão do homem por seu turno comanda.

E ela só corre e canta.

5 comentários:

Catarina disse...

E o efeito apaziguador que esse canto tem no nosso estado de espírito...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Olá Luísa!
Acabou-se o mate, vim aqui beber um bocadinho desta água. Posso?

luisa disse...

Olá Carlos!
Ela até parece apetitosa, mas esta não é água de nascente. É boa sim, mas é para dar de beber às árvores de fruto das hortas aqui por perto. Mas não seja, por isso. Vou tentar arranjar outra bebida para oferecer aos simpáticos visitantes desta esquina. :)

Isa GT disse...

Venha um verdinho branco... para ajudar a engolir o orçamento... quando ele sair porque deve vir bem picante ;)))

Bjos

luisa disse...

Isa,
Vinho é uma boa ideia. Já aqui vou deixar um leque variado de opções...