quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Aurora




A poesia não é voz – é uma inflexão.
Dizer, diz tudo a prosa. No verso
nada se acrescenta a nada, somente
um jeito impalpável dá figura
ao sonho de cada um, expectativa
das formas por achar. No verso nasce
à palavra uma verdade que não acha
entre os escombros da prosa o seu caminho.
E aos homens um sentido que não há
nos gestos nem nas coisas:

voo sem pássaro dentro

Adolfo Casais Monteiro


28 comentários:

  1. Respostas
    1. A escolha resultou de um exercício aleatório que por vezes me dá vontade de fazer. Pego numa antologia de poesia portuguesa que aqui tenho e abro ao calhas. Desta vez caí neste, Elvira. E também gostei. :)

      Eliminar
  2. Uma inflexão bonita de se ler, mas muito discutível.
    No verso podemos acrescentar muita coisa que faltou na prosa...:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, Janita, dizem que a poesia não se explica, mas pode discutir-se. Sem dúvida. :)

      Eliminar
  3. Minha querida Luisinhamiga

    Não sou grande fã de Casais Monteiro, ponto. No entanto para meu mal há coisas dele de que gosto e esta é uma delas. Por isso parabéns pela escolha. O resto para mim pouco importa.

    Muitos qjs deste teu amigo de sempre
    Henrique, O Leãozão

    Já está publicado na Nossa Travessa mais um episódio da saga VIVER COM UM IRMÃO PORTADOR DA SÍNDROME DE DOWN que desta feita leva o título de , Nele o nosso herói desdobra-se em actividades diversas face a mais uma situação muito difícil: a irmão dele Leonor caiu na teia demoníaca da droga, E ele, sozinho, vai resolvendo a para e passo os múltiplos problemas que tem pela frente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha a sorte que tive, Henrique. Acertei num que até agrada. :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Pedro, quando abri o livro e "acertei" neste poema, achei que "casava" bem com esta imagem que recolhi no domingo passado numa rua de Lisboa. :)

      Eliminar
  5. Luísa, um dos motivos pelos quais gosto de poesia, é o facto de através dela se poder dizer o que não se consegue ou não se pode dizer através da prosa. Por isso, fiquei a pensar no "dizer, diz tudo a prosa"... Percebo, mas penso de outra forma.
    Também gostei de ler o poema pela razão de me levar a pensar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel, quanto a mim, tanto tu como o poeta me estão a dizer a mesma coisa. Isto é: de ambos entendo que falam da poesia como algo que pode dizer (precisamente) o indizível. :)

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Pois eu também o descobri na ocasião deste post, Gracinha.

      Eliminar
  7. Vou tentar "traduzir" segundo a minha interpretação :
    A PROSA é como a reprodução desapaixonada e neutra, do que se oferece à vista de um pintor.
    Apenas uma interpretação.
    A poesia é como a pintura abstracta que poderá ser entendida sob vários pontos de vista!
    Múltiplas interpretações.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo Rui. E cada pessoa lê o poema de forma diferente. Um poema pode ser "n" poemas.

      Eliminar
  8. Poema intenso, lindo. ;))

    Do nosso amigo, Gil António:- Hoje » És a minha luz do entardecer

    Bjos
    Votos de uma óptima Sexta-Feira

    ResponderEliminar
  9. pois é! há quem ande por aí convencido que o "voo TEM pássaro dentro"...
    o resultado é que em vez de poesia nos oferecem churrasco ...

    (passe a imodéstia)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Poesia com frango, então... :)) Bem, cada um que mate a sua fome com o alimento poético que entender, Manuel Veiga.

      Eliminar
  10. Adorei.... voar sem pássaro dentro.
    Perfeito! bj

    ResponderEliminar
  11. Excelente foto Luísa e palavras muito bonitas !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta foi retocada com desfoquezito, Ricardo. :))

      Eliminar
    2. Eu percebi que havia um pouco de trabalho em cima dela. Ficou muito boa !!!

      Eliminar