terça-feira, 23 de outubro de 2012

Em silêncio


Achei que pelo caminho encontraria as palavras de que precisava para colocar aqui. Iniciei a marcha fazendo leves os pés. Caminhei em silêncio sem sequer ouvir o som dos meus passos. Só uma vez se ergueu o barulho da casca pisada de um caracol que não vi e que em má hora resolveu atravessar a estrada. Segui. Fui olhando cuidadosamente para todos os lados na esperança de ver passar as palavras certas. Não as queria deixar escapar. Apurei o ouvido. Talvez conseguisse ouvir o seu murmúrio, pensei. Mas não. Levantou-se o vento e apenas consegui ouvir o clamor das árvores cujas folhas estremeciam a cada sopro. Continuei a marcha. Não podia desistir. De certeza que mais à frente iria surpreender alguma que servisse os meus propósitos. Nem que fosse uma só. Bastar-me – ia uma palavra só. Uma palavra que pudesse decompor. Uma palavra que atraísse depois outras palavras. Sinónimos que a viessem apoiar. Antónimos que a viessem confrontar. Adjetivos que a viessem qualificar aos olhos de um leitor. Verbos que lhe viessem dar vida. Perscrutei o caminho que se desenhava à minha frente e avancei destemida sem me importar com a escuridão. Mas não encontrei as palavras. Só uma vez, à luz do candeeiro da rua, vi por breves instantes o bater de umas asas no ar. Mas logo desaparecerem na noite e percebi que, mais uma vez, me tinha escapado a palavra. Que mais uma vez ficaria em silêncio.

12 comentários:

Lemon disse...

Este é um silêncio repleto de diálogos :)

redonda disse...

Não foi só uma palavra que não escapou, mas várias, e este texto está o máximo!

Briseis disse...

Gosto que partilhes estes silêncios connosco. Têm um som agradável. =)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Pode não ter encontrado a palavra, mas encontrou uma bela forma de as conjugar neste post.

Teté disse...

Uma prosa tão poética, apesar do silêncio da palavra... :)

Beijocas!

AC disse...

Em busca da palavra perdida....
Indiana Jones não faria melhor. :)
Belo texto, Luísa!

Beijo :)

Pedro Coimbra disse...

Clap, clap, clap.
Sou eu a bater palmas.
Para quem não encontrou palavras, um texto destes é uma revelação.
Bjs

Rui Pascoal disse...

Seria o Batman?
:)

Rosa dos Ventos disse...

Um silêncio que deu origem a um texto de ouro!

Abraço

vieira calado disse...

A palavra, parecente coisa simples,
é, por vezes complicada.

Bjjss

Ana disse...

belas palavras:)ontem também matei um caracol sem querer...
beijos

Dulce Morais disse...

Luisa, não encontrou a palavra que procurava mas descreveu com outras essa procura. Texto muito belo!