terça-feira, 25 de setembro de 2012

Portanto


A senhora veio à reunião e falou. Falou muito. Contou as suas histórias pessoais com muitos portanto pelo meio. Palavra sim. Palavra portanto. Palavra sim. Palavra portanto. Era simpática aquela senhora. Mas nunca mais se calava. Contou pormenorizadamente a sua história. Descreveu tudo, tudo até à marca de cada acessório que trazia no dia da dita e contada história. A marca da mala. Portanto. A marca da carteira. Portanto. E nunca mais se passava ao tema da reunião. E ela, portanto. E quando ela parecia estar a concluir a história, a minha colega, muito interessada, perguntava-lhe algo mais. Ora, portanto, a senhora lá recomeçava. E mais uma vez portanto. E eu a ficar com os nervos em franja. E eu capaz de matar a minha colega que continuava a querer mais pormenores da história. Era simpática aquela senhora. Mas nunca mais se calava. Portanto. Lá recomeçava o contarelo. Lá se atrasava a entrada em cena do assunto que motivava a reunião. Portanto para aqui. Portanto para ali. Enfim.

17 comentários:

Naná disse...

Portanto, assim se desperdiça tempo valioso a tratar de portantos...

Ana disse...

detesto quando começam a "engonhar" as conversas sem quererem saber dos outros... as reuniões lá no trabalho são a mesma coisa e ainda por cima fazem-na sempre à noite que é o meu horário e atrasam-me o trabalho todo.
beijos

Tulipa disse...

É muito mau esses "tiques", então quando nos centramos neles...portanto, agora nada há a fazer :)para a próxima repete uma frase dela, vais ver que ela muda logo o discurso...ou não :)

Rosa dos Ventos disse...

Se fosse "portantos" ainda era pior...e há quem o use! :-))
E afinal, portanto, chegou-se a alguma conclusão?

Abraço

Pérola disse...

Há tiques fisicos ou de linguagem que só são visíveis para os outros.
Os próprios nemnotam ou já estão habituados.
Existe terapia para quem padece desses males e tem de falar em público.
Beijinho, Luisa!

Rui Pascoal disse...

(Posso ser mauzinho?)
Tinha que ser uma senhora. Se fosse um senhor... seria diferente.
:)

El Matador disse...

ah, tiveste uma reunião com uma colega minha.

luisa disse...

Naná.
Nem mais...

Ana,
Sem exagerar... estivemos mais tempo a ouvir as histórias da tal senhora do que a tratar do que realmente importava.

Rosa dos Ventos,
Ora...marcou-se nova reunião :))

Pérola,
Pois neste caso a senhora bem precisava dessa terapia :)

Rui Pascoal,
Deixe-me seguir-lhe o tom: Eu sei. Se fosse um senhor era bem pior... :))

El Matador,
Olha...quem sabe? :)

Graça Sampaio disse...

E há tanta gente assim! E não só senhoras como diz ali o menino Rui...

(Está escrito com muita piada...)

Portanto, beijinhos...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Portanto, mais uma daquelas cenas macacas do Portugal Sentado onde somos mestres a reunir. Sim? :-)

Teté disse...

Há reuniões assim, que se fala, fala, fala e nunca mais se chega ao assunto que se devia falar ou discutir, Uma perda de tempo, portanto! :)

Beijocas!

redonda disse...

Já passei algumas vezes por situações parecidas :)

Catarina disse...

Essa história faz-me recordar – sem portantos – o lançamento de um livro a que assisti em Albufeira há dois anos. O “historiador”, o primeiro orador, falou durante UMA HORA. Evidentemente que, apesar de bem educados durante a primeira meia hora, os presentes começaramm a sussurrar até o senhor dar por terminado o seu discurso!!!! Que seca!

luisa disse...

Graça,
Há de facto muitas pessoas que gostam de se ouvir falar :)

Carlos,
Cena macaca mesmo. Não tenho paciência para este tipo de reuniões.

Teté,
E assim se vai a produtividade...

Gabi,
Penso que todos devemos ter uma experiência destas :)

Catarina,
Não percebo como é que estas pessoas não têm noção de que são verdadeiras secas...

AC disse...

Enfim? Enfim não, portanto! :)
Adorei a narrativa, Luísa.

LuisY disse...

A luisa teve aquilo que em linguagem de Lisboa se chama uma "runião", que é aquelas coisa que se tem no trabalho e não serve para nada

Abraço e gostei do seu humor fino

Artes à Solta disse...

Eu assisti! Lol