segunda-feira, 19 de março de 2012

A vida secreta dos objetos: o urso de peluche

Ai… ao que cheguei. Um urso vai para velho e logo fica para aqui esquecido num qualquer muro de canteiro. Já vai para duas noites que passo aqui ao relento. Bem sei que ainda tenho algum pelo que me protege um pouco das baixas temperaturas, mas isso não é tudo. Apesar de não chover, a noite sempre traz humidade. Mal escurece e começa logo a cair aquela leve cacimba que se me entranha no corpo. O que vale são os dias de sol. Ajudam-me a retomar a forma. De qualquer maneira, já estou a ficar aborrecido deste muro. Por muito que haja movimento ali na estrada – e estão quase sempre a passar automóveis e motorizadas e carrinhas de caixa aberta… - já nada me distrai. E depois, nem sequer olham para mim. Não me veem. E quem já nem tem olhos sou eu. Estou feito num farrapo velho. Um urso de peluche sem olhos. É para perceberem o trato que tenho levado, anos a fio, na mão das miúdas. Lembro-me de como era disputado por elas. Nessa época dispunha ainda de todas as faculdades de um verdadeiro urso de peluche. Era giro. Era macio. Elas gostavam de me apertar contra os seus corações. E eu ouvi-os bater. E ouvia os risos delas. E as cantigas. Ah… mas o melhor era mesmo quando chegava a hora de dormir. Eu tinha o meu lugar reservado no travesseiro. Uma ou outra abraçava-me e eu senti-me no paraíso. Os anos passaram e fui perdendo a minha beleza de outrora. De tal forma que há dois dias já que fui deixado aqui no muro. Abandonado. Completamente abandonado.


6 comentários:

Teté disse...

Vida de urso de peluche é triste! O meu poderia queixar-se do mesmo, que já não durmo com ele agarrado ao coração, que raramente olho para ele. Mas teve mais sorte, que ainda mantém os dois olhos e não está num muro abandonado ao sabor da intempérie, mas sim na despensa, em convívio com outros bonecos da minha infância... :)

Gostei muito!

Beijocas!

kuka disse...

Instituições de recolha de cães e gatos abandonados, conheço algumas, mas... de ursos!?
Está na hora de as autoridades se debruçarem sobre isto!

sandrafofinha disse...

Oh oh coitadinho do urso!! É triste ver que os nossos bonecos de estimação perdem a beleza quando a gente se torna crescida. Enfim,a vida é mesmo assim. Beijinhos fofinhos e continuação de boa semana para ti!!

mfc disse...

Uma alegoria que é um alerta todos aqueles que, duma forma ou de outra, contribuem para a manutençãio do abandono dos seus.
Somos todos uma família que precisa de ser apoiada... dos mais novos aos mais velhos!
E há gente que, propositadamente, ande a minar esta solidariedade que existia na sociedade.

Beijinhos.

luisa disse...

Teté,
Este urso não é meu. Se algum dia tive um do género... não me lembro e nesse caso serei pior "dona" do que a dona deste que por acaso é a filha da vizinha. E o coitado do urso esteve mesmo duas ou três noites ao relento. Mas foi entretanto recolhido. :)) Cá em casa ainda vivem os ursos de peluche dos meus filhos. Vou tentar mantê-los de boa saúde. :)

Kuka,
Também acho... :)

Sandra,
Pois é... gente crescida por vezes é bem ingrata :)

mfc,
Verdade. E afligem-me especialmente aquelas notícias que vamos tendo de idosos abandonados nos hospitais pelos familiares ou de idosos morrendo na solidão das suas casas ...

Isa Lisboa disse...

O passar imperdoável do Tempo... Ou dos que passam por ele...