sábado, 25 de abril de 2015

Certezas

Desciam uma rua estreita, em Alfama. Ele queixava-se ao amigo. Que não conseguia viver assim. Amava aquela mulher mas não se entendiam nos feitios. Nem nos temas de conversa. Ele não dava importância ao que a ela importava. Coisas fúteis, dizia. Não vemos as coisas do mesmo modo, é o que é. Não sei qual de nós está certo. O certo é que assim não dá. 


7 comentários:

  1. ... e tenho pena de não te poder conhecer amanhã ! :(

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, Ricardo.
    Não vou estar no encontro mas o meu pensamento vai passar por lá. :)

    ResponderEliminar
  3. Estou certa que não tarda estarei para lá no mundo dos sonhos mas nem disso tenho a certeza. Ainda esta noite tive um pesadelo!

    Bom fim de semana, Luísa. :)

    ResponderEliminar
  4. E o que está certo nem sempre é certo :)

    ResponderEliminar
  5. por vezes é assim, de facto.

    olhamos o dedo, em vez de fixar a Lua.

    ResponderEliminar
  6. pois e assim não dá.
    Mesmo!
    ou será que dá?!

    :)

    ResponderEliminar