quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

O balcão rápido

Fui à estação de correios para fazer um pós-pagamento da SCUT.
Para isso tive que tirar a uma senha. Podia fazê-lo através das senhas “A” de “atendimento geral” ou das senhas “B” de “balcão rápido”.
Pelo sim, pelo não, tirei as duas senhas.
Fiquei então à espera, atenta ao dingue-dongue e à mudança de números do painel eletrónico.
No “atendimento geral” estavam quatro guichés a funcionar. No “balcão rápido”, um.
O “atendimento geral”, apesar de me colocar numa posição numérica mais distante do que o “balcão rápido”, estava a fazer dingue-dongue muito mais vezes. Tantas vezes que, a dada altura, o “balcão rápido” fez dingue-dongue nove vezes seguidas sem aproximação de clientes. Todos já haviam desistido da espera. E quando faltava uma posição para o meu número a senhora do “balcão rápido” saiu para o almoço.
Ao fim de meia hora fiz o meu pagamento no “atendimento geral”.

Se alguém me puder explicar o significado de “balcão rápido”, fico muito agradecida.

5 comentários:

Naná disse...

É rápido porque não atende basicamente ninguém! Já desistiram todos...

Teté disse...

Incongruências em que os portugueses são costumeiros e vezeiros... :)

Beijocas!

El Matador disse...

Ainda há-de ser pior quando fecharem o balcão da Pontinha (se é que estavas a falar de Faro).

luisa disse...

El Matador,
Estava a falar dos de Faro...pois sim :)

Briseis disse...

Hum... Luísa, não queres escrever um post sobre a vida do Balcão Rápido...? Todo um problema existencial e uma crise de identidade... Cheira-me que ficaria épico! =)