quarta-feira, 4 de junho de 2014

Metropolitano

Entro no início da linha numa carruagem vazia. A mulher que se senta na fila de bancos oposta à minha tem o cabelo apanhado num rabo de cavalo. Tem também umas orelhas descomunais. As orelhas da mulher atraem o meu olhar como um íman. Se traçasse uma linha em volta da cabeça da mulher, fazendo o perímetro passar pela borda exterior das orelhas, formava um círculo com o dobro do diâmetro do seu rosto. Tento disfarçar e não olhar para ela por muito tempo. Consigo desviar a minha atenção graças a um grupo ruidoso que entra na estação seguinte. Um corcunda, uma gorda lustrosa e uma magricelas de calças às bolinhas. Combinam um programa que têm de fazer brevemente e encetam uma discussão violenta sobre quem foi o último a pagar o café. Quase se pegam fisicamente. A mulher das orelhas descomunais agita-se no banco. As vozes alteradas do grupo ruidoso parecem incomodá-la mais do que a qualquer outro passageiro da carruagem. Na aproximação da estação que se segue a mulher levanta-se, estica-se, bate as orelhas aceleradamente e, mal se abrem as portas do metropolitano, sai voando sobre os passageiros que aguardam no cais para entrar. 

17 comentários:

  1. É por cenas destas que eu gosto de andar de comboio.

    ResponderEliminar
  2. e, de repente o que nos pareciam defeitos revelam-se magia...

    ResponderEliminar
  3. Pensei que era o início de um romance e corri para aqui para saber o nome da autora/do autor.

    Uma cena muito bem contada, minha querida Luísa!

    ResponderEliminar
  4. Poderia ser um inicio de um bom livro de cabeceira, muito bem narrado.
    Obrigada Luisa pela partilha.

    ResponderEliminar
  5. tinhas jeito para escrever qualquer coisa na onda do harry potter:)

    ResponderEliminar
  6. Há que dar continuidade à narrativa sobre a "mulher-morcego" apanhada fora de horas no metro! :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde,
    Gostei da historia e da criatividade, adorei a palavra muito usada no Algarve, principalmente na zona de olhão e Fuseta, Lustrosa nestas localidades é sinonimo de bonita.
    Dia Feliz
    ag

    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. Cheira-me a pessoal que gosta de ler e escrever;)

    ResponderEliminar
  9. Excelente conto, será que tem continuação!
    "gorda lustrosa" uma palavra que muito se usa na Fuseta Algarve.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  10. Coitada da senhora de orelhas grandes. O barulho, para ela, teria o dobro dos decibéis que para outra pessoas de orelhas normais. Muito bem contado.

    ResponderEliminar
  11. Não era uma mulher, era o Dumbo!! :)))
    BFDS

    ResponderEliminar
  12. Há muito que não ouvia/lia a palavra lustrosa. : )) E pensando agora no termo, parece-me que “lustrosa” aplica-se apenas a pessoas, “fartas de carnes”. Será?

    ResponderEliminar
  13. Que Jesus abençoe vc sua família
    nesse final de semana (e sempre) uma vida feliz.
    Beijos no coração afagos na sua alma linda
    e pura.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  14. Muito boa!
    Pensei logo no Dumbo e gostei da imagem dela voando livre.
    xx

    ResponderEliminar
  15. Sempre gostei dos seus textos.
    Muito bom, Luísa!

    ResponderEliminar
  16. Luisa, desta vez só não gostei muito do texto porque me faz pensar em todos os miúdos e graúdos que tenho operado por orelhas "de Dumbo", "de antena parabólica" e outros mimos que os fazem sofrer.

    ResponderEliminar