quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Sem história

Durante muitos anos foi guardando palavras na esperança de, um dia, as juntar e contar uma história. Sempre que descobria um termo novo anotava-o num pedaço de papel e guardava-o religiosamente numa caixa de sapatos vazia. Gostava das histórias que começavam por “era uma vez” e tinha decidido que a sua também se iniciaria assim. Ia colecionando essas e outras palavras com o propósito de, quando chegasse a hora, escolher as mais adequadas e encadeá-las umas atrás das outras com o rigor da escrita. Porém não se decidia quanto ao momento certo para começar a sua narrativa.

Morreu sem dar uso às palavras que foi guardando. Quando partilharam os seus pertences, encontraram debaixo da cama uma caixa de sapatos vazia que amolgaram para ocupar menos espaço no depósito do papelão.

10 comentários:

Benó disse...

Uma história sem história mas que me agradou lê-la. Há mt. gente que escreve e guarda na gaveta, sempre à espera da ocasião que mts.vezes não chega.

Galopim disse...

Triste, mas escrito de uma forma maravilhosa. Adoro vir aqui!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Sem história? parece-me que até tem uma grande história dentro, que a Luísa resumiu de forma magistral!

Naná disse...

Que história triste...

Rui Pascoal disse...

Ficámos sem saber, entre outras coisas, o número que calçava.
:)

Rosa dos Ventos disse...

Era uma vez...uma caixa de sapatos que parecia estar vazia mas não estava!
Quando a largaram no papelão saíram de lá papéis que espalhados pelo vento foram encontrados por gente que se interrogou durante uns dias sobre o significado das palavras lá inscritas!
A mim calhou-me...Fim! :)

Abraço

Graça Sampaio disse...

Hão-de fazer isso a tudo o que nós guardamos durante uma vida inteira... Penso muitas vezes nisso...

Gostos muitos destas tuas histórias, Luísa! Muito imaginação...

Beijinho

M D Roque disse...

Deixar por dizer o que se guarda para o momento certo que nunca chegou. Quem sabe não eram as palavras certas que iriam mudadas o mundo ? Beijinho, Luisa.

quem és, que fazes aqui? disse...


Tenho as palavras todas guardadas nem sei onde.

Só encontrei esta - GOSTEI!

Beijinho

Anónimo disse...

Vai, certamente, acontecer-me o mesmo! Vamos ver se agarro o alerta. M. Castro