terça-feira, 16 de julho de 2013

Papo-secos

Era uma mulher de idade avançada e rebocava a vida nos pertences que enchiam o seu carrinho de compras. Ao atravessar a rua, o ressalto do lancil fez cair o saco que ia no topo do trolley e uma dúzia de papo-secos espalharam-se pelo asfalto.  Conformada, dobrou-se e lentamente ficou a apanhar os pãezinhos um por um.

15 comentários:

  1. É a miséria a que se chega... :(

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  2. Quisera eu em cada blog deixar um
    comentário diferente de tudo aquilo,
    que tenho feito nessa caminhada de blogosfera.
    Quisera poder descrever minha ansiedade
    ou tristeza por não poder fazer aquilo , que todos fazem.
    Uma luta tenho travado comigo mesmo para não deixar de vez
    esse mundo , que amo mesmo sem face.
    Quero , que saiba todas palavras , que deixo nas minha visitas
    são de um amor brotado do fundo da alma.
    Que , Deus nunca tire de você
    a força de nenhum de seus membros .
    Hoje me sinto faltando um pedaço ,
    mais Deus ainda deixou o suficiente para mim poder caminhar
    mesmo ficando limitada ainda sou muito feliz.
    Que , as bençãos Divinas esteja presente
    em seus sonhos e sua caminhada.
    Obrigada pelo carinho por aceitar da forma ,
    que sou.
    Um Dia de benção e paz para sua vida
    beijos com meu eterno carinho,Evanir.

    ResponderEliminar
  3. que cena tão triste e tão intensa, dita em tão poucas palavras...

    ResponderEliminar
  4. Estou a imaginá-la a soprar para o pão, na esperança de afastar qualquer poeira, ou a sacudi-los.

    ResponderEliminar
  5. A minha mãe teve uma avó que ia aos caixotes do lixo do mercado procurar fruta e legumes que pudesse trazer para a família. Isto há 70 anos. Infelizmente, parece que estamos a voltar ao mesmo.

    ResponderEliminar
  6. Certamente que seriam "pápe-séques".

    A tristeza não é apanhá-los mas a obrigação de ter que os apanhar para que depois tenha o que comer.

    1 Beijo com sorrisos :)

    ResponderEliminar
  7. Tão bem descrito que cheguei a ver a cena em minha frente. Um abraço!

    ResponderEliminar
  8. Diz tanto poucas palavras!

    beijinho e até breve!

    ResponderEliminar
  9. Muitos sem-abrigo, usam os carrinhos de super mercado para transportar os seus pertences. Vida tão triste.

    No meio de tanta coisa, o melhor no topo, e tinha de cair.

    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Um instantâneo bem captado, bem significativo dos dias que correm...

    Beijo :)

    ResponderEliminar